Zilda, nós lembramos hoje
a tua Páscoa final,
com que viveste e selaste
todo o seu grande ideal:

Para ser Adoradora
O rio Tapajós deixaste
Outras águas te atraiam
E a família abandonaste.
Depois, Jesus te chamou
da vastidão do Amazonas.
Às montanhas peruanas.

No alcance do teu sorriso,
Tua bondade e alegria
Te fez enfrentar, sem medo,
A tremenda pandemia.

Contadora eficiente,
Generosa servidora,
Do Sangue de Jesus Cristo
Tu foste propagadora.

Dos Missionários do Sangue
Foste amiga e servidora
Sempre ágil e “em saida”,
dos leigos Animadora.

Com o ardor de Adoradora:
Tua marca registrada-
No Peru ou no Brasil
seguiremos tua estrada.

Continuas entre nós
“corona” não te esmagou.
Recebeste outra COROA
Do Amor que te consagrou.

Compartilhar
Marília Menezes
*Poeta e escritora. Ex-secretária da CRB. Trabalhou na Prelazia de Itacoatiara, em 1962-1963, ao tempo do bispado de dom Francisco Paulo Mc-Hugh (1924-2003), onde dirigiu o Colégio Nossa Senhora do Rosário. Em 1997 voltou a Itacoatiara para secretariar o bispo dom Jorge Marskell (1935-1998), até sua morte no ano seguinte. Sócia correspondente da Academia Amazonense de Letras. Reside em Belém, sua terra natal.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário
Por favor informe seu nome aqui