AM-010. Rodovia Manaus-Itacoatiara
AM-010. Rodovia Manaus-Itacoatiara
Marcos Santos
*Marcos Santos

rodovia AM-010, Vital de Mendonça, Manaus-Itacoatiara, é mais que um ponto de ligação entre duas das principais cidades amazonenses. É símbolo de má gestão, falta de apetite pelo desenvolvimento e desrespeito à vida. E não apenas sob a gestão do governador Amazonino Mendes. É constatação histórica, que se torna trágica em acidentes como o que matou três pessoas domingo (10/06), ferindo 18.

A rodovia, no final do regime militar, ganhou as três pontes sobre o rio Urubu. Isso significou, à época, algo próximo do que hoje representa a ponte Rio Negro. Era a ligação Médio-Baixo Amazonas.

Itacoatiara tem posição geográfica privilegiada. Fica na confluência do rio Madeira com o rio Amazonas. O Madeira é aquele pelo qual as balsas, vindas de Porto Velho, abastecem Manaus. É por lá que o Sul Maravilha chega à capital amazonense. Porto e rodovia decentes, naquele ponto, transformariam a cidade num grande centro abastecedor, fomentando a economia, gerando empregos. A logística se veria livre das 24 horas ou mais de viagem Itacoatiara-Manaus, subindo o rio Amazonas. Seriam trocadas pelas três horas via rodoviária.

Plano jogado n’água

Isso foi pensado lá atrás, por volta de 1980, quando acidentes com balsas da travessia do Urubu escandalizavam o Amazonas. O último esboço de estruturação ocorreu com a construção do terminal graneleiro da Hermasa, na década de 1990. A partir de então, todos se voltaram para o Hino Nacional Brasileiro. E deitaram em berço esplêndido, sem nada mais fazer pela cidade.

Os resultados são visíveis. O terminal da Hermasa foi engolido pelo asfaltamento da rodovia Cuiabá-Santarém. Agora, a soja do Mato Grosso e Mato Grosso do Sul circula por essa via. Passa por Itaituba (PA), no distrito de Miritituba, transformado na grande meca do desenvolvimento amazônico.

Itacoatiara, na questão dos grãos, ficou a ver navios.

Manutenção quando rompe ou no Fecani

A rodovia, enquanto isso, foi se deteriorando. Hoje, qualquer usuário pode atestar!, só há manutenção ou quando rompe bueiro ou no Fecani. O Festival da Canção de Itacoatiara (Fecani) acontece em setembro.

Os praticantes de pesca esportiva têm uns 30 dias para aproveitar a via trafegável. Depois, as chuvas de novembro rompem o asfalto como se os pingos fossem brocas de aço.

Em fevereiro, no Carnaval, é uma temeridade trafegar na AM-010.

Abacaxi fica pelo caminho

Os produtores rurais de Novo Remanso, que fazem o abacaxi mais doce do Brasil, têm que arrastar caminhões em meio à buraqueira. Ou isso ou perdem a produção por falta de escoamento.

Risco diário

O usuário eventual sofre. E aquele que precisa da rodovia todos os dias? E pais que teimam em vir a Manaus ver os filhos ou, vice-versa, filhos que retornam para ver os pais? E caminhoneiros, taxistas, mototaxistas, motoristas de ônibus etc.?

Todos os dias, a partir do momento em que entram na rodovia, eles sabem que estão com as vidas em risco.

Essa estrada serve Rio Preto da Eva, Silves, Itapiranga e Itacoatiara. Aproxima todos os Municípios do Baixo Amazonas, especialmente Urucurituba, Maués e Urucará.

É preciso fazer alguma coisa.

Sinalização urgente

A primeira é sinalizar a rodovia. Isso é fundamental. A AM-010 não tem sinalização horizontal. Aquela pintura no asfalto mostra a hora de ultrapassar (faixa pontilhada). Revela quando alguém vem ultrapassando do outro lado (faixa pontilhada sentido contrário). Ou mostra o caminho, em caso de chuva, especialmente quando equipada com “olhos de gato”.

A sinalização vertical, as placas, mostram tanto a quilometragem, facilitando o trabalho de entregadores, quando limites de velocidade.

A rodovia Manaus-Itacoatiara precisa, claro, de asfalto decente. Algo que dure 20, 30 anos, permitindo manutenção mais barata e eficiente.

O retrospecto de descuido com as vidas que transitam por essa estrada estadual, porém, não permite um bom prognóstico. Ainda mais se olharmos para a AM-070, Manoel Urbano, Manaus-Manacapuru. A estrada está parada bem no meio e mesmo assim já tem buracos no trecho concluído. A sinalização vertical é deficiente e a chuva vai consumindo a horizontal.

O governo Amazonino Mendes parece ter retomado as obras na Manaus-Manacapuru. Anuncia também licitação para recuperar a AM-010. Tomara.

O Departamento Estadual de Trânsito do Amazonas (Detran-AM) podia variar um pouco, após tantos anos dedicado aos escândalos. Podia sinalizar essas estradas estaduais, salvar vidas e a imagem do governador.

Do jeito que vai, o amazonense vai continuar testemunhando mortes estúpidas na AM-010. Vai seguir o desfile de má gestão, inapetência administrativa e imprudência de motoristas.

Sinalizar é dar chance para os prudentes

Sinalização e manutenção de rodovias, aliás, existem justamente para oferecer uma chance aos prudentes. São eles que ficam desamparados numa competição em que vence o mais estúpido, louco ou imprudente. É aí que o poder público tem a obrigação de estar presente.

Kalino Hage dirigia o táxi com a avó, Valdira Rodrigues, e a tia, Simone Rodrigues. Motorista de micro-ônibus, de repente, vira numa curva, desvia de buraco e acerta em cheio o carro dele. Mais três mortos. Outras vítimas da AM-010.

Até quando?

*Marcos Santos, 57, é parintinense, cidadão de Manaus, jornalista e radialista, formado em Comunicação Social pela Ufam. Ex-diretor de redação de A Crítica e Em Tempo, atuou em várias rádios e TVs de Manaus e é, atualmente, apresentador da Rádio Diário (95,7).
Compartilhar
Autor Externo
As publicações são fontes externas de outros veículos de comunicação.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário
Por favor informe seu nome aqui