Anísio Mello*

À margem de um grande rio

repousa uma lembrança:

Velha Serpa encantada,

cidade onde nasci,

mirante do passado,

e velhas tradições

Eu fui o canoeiro que passou distante

sem poder aportar.

A correnteza da vida carregou-me

e eu fui levado ao léu,

rio abaixo,

na correnteza inclemente,

sem poder esquecer a Velha Serpa

das lendas e das tradições.

Da Velha Serpa que foste no passado,

cidade encantada do Rio-Mar,

ficaram tradições imorredouras

para a moderna Itacoatiara que hoje és.

Do teu cais, do teu rio,

os barrancos molhados,

trago comigo na festa da lembrança

a recordação perenal porque tu és

a cidade-mãe que me acolheu no berço.

Velha Serpa querida, Itacoatiara,

mostraste-me a luz primeira e o céu azul

e em teu solo recebi o beijo maternal

a vez primeira,

e o carinho das canções maternas,

entoadas com doçura.

Itacoatiara – Velha Serpa!

mirante do passado

e velhas tradições!

*Anísio Thaumaturgo Soriano de Mello (1927-2010).  Poeta e artista plástico itacoatiarense, membro da Academia Amazonense de Letras. Poema escrito em São Paulo a 28.03.1961, consta do livro Convite à Poesia, in memorian, Manaus, 2011. Orgulhava-se  muito de sua terra, daí que proclamava: “Sou um marupiara porque nasci em Itacoatiara.”

Compartilhar
Autor Externo
As publicações são fontes externas de outros veículos de comunicação.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário
Por favor informe seu nome aqui