Vaidosos e ignorantes

0
99
*João Pereira Coutinho

Esquerda e direita contaminadas pelo vírus do pensamento de grupo é a ironia do debate político.

Houve um tempo em que também eu debatia política em público. Relembro: um estúdio de TV, alguém de esquerda do outro lado da mesa. O pivô lançava o tema. A pessoa de esquerda corria atrás do osso como um mastim esfomeado.

Quando eu falava, havia um terrível anticlímax. De vez em quando, esforçava-me: dizia algo “de direita”, só para não ser despedido na hora. Mas grande parte do tempo ficava contemplando o outro, admirando a sua vitalidade ideológica e o interesse que ele tinha por, sei lá, a política de saneamento básico.

Várias vezes fitava o meu “adversário” (não ria, por favor) e tentava ver se tinha as pupilas dilatadas. “Talvez sejam drogas”, pensava, confrontado com aquelas cataratas (verbais). Não eram. Era entusiasmo.

Atenção, atenção: não falo de “entusiasmo” no sentido prosaico da palavra. Um ser humano sem entusiasmos é um cadáver ambulante. Não. Falo no sentido filosófico –aqui, como em quase tudo, David Hume (1711-1776) é o meu mestre.

Dizia ele que existem duas espécies de “falsa religião”: a superstição e o entusiasmo.

A primeira instala-se na alma amedrontada do crente perante “males infinitos e desconhecidos”, que exigem proteções igualmente fantasiosas.

A segunda revela um sentimento de exaltação (ou de “presunção”, para usar o termo de Hume) em que o “entusiasta” ignora a razão ou a moral – e se entrega nos braços do orgulho e da ignorância.

É isso que torna o “entusiasmo” tão perigoso: essa combinação de vaidade e ignorância.

O entusiasmo continua na religião, sem dúvida: não conheço nenhum terrorista islamita que não seja um entusiasta. Mas, sobretudo no século 20, esse “estado de espírito” foi cultivado pelas “religiões seculares” de que falava Raymond Aron.

O comunismo e o nazismo foram formas de “entusiasmo” político (que deram no que deram). As batalhas ideológicas de hoje são novas encarnações de entusiasmo.

Pensei em tudo isso quando assistia ao vídeo do momento: a entrevista de Cathy Newman, no Channel 4, ao filósofo “pop star” Jordan Peterson. Conhecia Peterson de outras andanças: o seu “Maps of Meaning”, um tratado sobre o lugar dos mitos na história humana, merece leitura.

No vídeo em questão, Peterson sublinha um pormenor importante das discussões contemporâneas: a “política de identidade” é intrinsecamente autoritária porque imita a mesma “estrutura de crença” dos regimes autoritários. Que crença é essa?

A ideia de que o grupo é mais importante do que o indivíduo. Antigamente, esse grupo podia ser “o proletariado”, em nome do qual se cometeram os maiores atropelos. Hoje, Peterson dá como exemplo os “ativistas trans” que policiam a linguagem e o comportamento de terceiros porque julgam falar em nome de todos os “trans”.

Não é preciso grande preparação filosófica para vislumbrar a falácia da retórica de grupo. Não existe “o proletariado”. Existem trabalhadores vários, com aspirações e limitações particulares. De igual forma, não existem “os trans”. Existem indivíduos concretos, que vivem a sua sexualidade de forma diversa.

Infelizmente, o prof. Peterson deixou-se contaminar pelo “entusiasmo” da jornalista e esqueceu-se do outro lado da história: a submissão ao pensamento de grupo não é um exclusivo de “esquerdistas radicais”.

Basta escutar a “direita radical” e as suas proclamações contra “os estrangeiros” –e em defesa dos “nacionais”, claro– para compreender a grande ironia do debate político atual: esquerda e direita estão contaminadas pelo vírus do pensamento de grupo.

Pelo meio, perde-se a importância (e a primazia) do indivíduo –essa ficção pequeno-burguesa, como diziam nazistas ou comunistas, e que as mentes autoritárias sempre tentaram calar ou destruir.

E como se chegou até aqui?

Em artigo recente para o “The Millions”, Sarah LaBrie acusa a internet (e as “redes sociais”) de produzir as manadas que esmagam a “soberania do ser”. É um bom ponto de partida –mas não de chegada: a internet deu voz e potenciou as manadas; mas elas sempre existiram no longo cortejo da história.

Como dizia David Hume, onde existe vaidade e ignorância, existe entusiasmo. E a alma dos homens sempre foi fraca: entre a solidão do individualismo e a pertença aos entusiasmos da tribo, o macaco eterno não hesita.

*Escritor e cientista político português. Artigo na Folha de São Paulo, Caderno Ilustrada C6, de 23/01/2018.
Compartilhar
Autor Externo
As publicações são fontes externas de outros veículos de comunicação.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário
Por favor informe seu nome aqui