Drauzio Varella
*Drauzio Varella

Pesquisa com as crianças foi estatisticamente muito significante: eficácia de 90,7% na prevenção de sintomas.

Como esse vírus vai permanecer entre nós por muitos anos, quase todas as crianças que não receberem a vacina um dia serão infectadas. A maioria terá sintomas leves ou ficará assintomática, mas uma minoria apresentará a forma grave da doença. E se for sua filha ou filho?

Não é essa a mesma razão que nos faz vaciná-los contra sarampo, difteria, coqueluche e outras doenças de curso benigno na maioria das crianças, mas que podem causar complicações graves?

O caso da Covid é comparável: crianças infectadas costumam evoluir com poucos ou nenhum sintoma, mas uma minoria desenvolve quadro de insuficiência respiratória que coloca a vida em risco.

Alunos brincam no Colégio Porto Seguro; educadores da escola perceberam dificuldade de crianças e adolescentes em retornar relação presencial após longo período em frente às telas

A revista Science traz os últimos dados tabulados pelos Centros de Controle e Prevenção de Doenças, os CDC, dos Estados Unidos, os mais completos já publicados. No início de 2020, as crianças representavam apenas 3% dos casos de Covid, no país. Hoje, eles ultrapassam 25%, um contingente de mais de 6 milhões. Cerca de 2 milhões pertenciam à faixa dos 5 aos 11 anos.

No fim de outubro deste ano, eram infectadas aproximadamente 100 mil crianças americanas por semana. Entre as dezenas de milhares hospitalizadas, um terço não apresentava problemas de saúde. Apesar de saudáveis, muitas necessitaram de internação em UTI.

Nos Estados Unidos, já morreram 700 crianças. Covid está hoje entre as dez principais causas de óbito na infância. Não há um caso sequer de morte causada pela vacina.

Países aplicam vacina contra a Covid em crianças de até 11 anos

Apesar da contundência desses dados, as pesquisas revelam que 42% a 60% dos pais americanos admitem ser relutantes ou estar decididos a não vacinar seus filhos.

Um dos argumentos é o de que a vacinação não foi testada em número suficiente de crianças. O estudo que levou à aprovação das preparações da Pfizer e da Moderna (ambas com a tecnologia do RNA mensageiro) para adultos, envolveu 40 mil participantes, enquanto aquele realizado na faixa etária de 5 a 11 anos reuniu 2.400.

Embora com números menores, entretanto, a pesquisa com as crianças foi estatisticamente muito significante: eficácia de 90,7% na prevenção de sintomas da doença, isto é, apenas uma em cada dez imunizadas apresentou algum sintoma. Não houve mortes.

Outro argumento contra a vacinação seria o risco de miocardite, processo inflamatório que atinge as células musculares do coração. Nos estudos de acompanhamento depois da autorização das vacinas Pfizer e Moderna, juntando crianças e adultos o risco de miocardite foi de cinco casos em cada 1 milhão de pessoas vacinadas. Esse risco é insignificante comparado aos problemas cardíacos provocados pela Covid e, no caso das crianças, aos da síndrome inflamatória multissistêmica, complicação grave que se instala em diversos órgãos (entre os quais o coração), e pode levar às unidades de terapia intensiva e ao óbito.

Às vésperas do retorno às aulas presenciais, pais estão indecisos

Profissional da saúde imuniza garoto de 9 anos em Avellaneda, na Argentina; país liberou vacinação de crianças de 3 a 11 anos Martín Zabala – 12.out.2021/Xinhua

Vice-presidente do Equador, Alfredo Borrero, aplica vacina contra Covid em criança em Quito; no país, crianças de 6 a 11 anos podem se imuni 18.out.2021/Xinhua

Maya Griesemer, 7, recebe sua primeira dose de vacina da Pfizer, em Seattle, nos EUA; país liberou imunização de 5 a 11 anos Matt Mills McKnight – 8.nov.2021/Reuters

Em Nova York, Christopher Reyes, 9, recebe vacina contra a Covid Michael M. Santiago – 8.nov.2021/AFP

Além disso, como a dose aplicada em crianças equivale a um terço daquela administrada aos adultos, a possibilidade de miocardite se torna mais improvável. Estudos conduzidos em Israel e nos Estados Unidos mostraram que a incidência de miocardite pós-vacinal na faixa etária de 12 a 15 anos é mais baixa do que na população de 16 a 25 anos de idade. Por analogia, nas crianças com 11 anos ou menos devemos esperar riscos mais baixos ainda.

Todos os que tivemos ou têm filhos pequenos vivemos a experiência de vê-los com resfriados de repetição, contraídos a partir do momento em que são mandados para a escola. Crianças brincam juntas, correm e se aglomeram na hora do recreio, impossível mantê-las distantes umas das outras. Depois, trazem para casa os vírus que circulam no ambiente escolar, agem como vetores de transmissão para os mais velhos que, no caso da Covid, podem adquirir uma forma grave.

Esses dados mostram que o Brasil precisa vacinar todas as crianças com mais de dois anos (futuros estudos talvez demonstrem que pode ser antes). As perdas cognitivas por mantê-las em casa por quase dois anos são incalculáveis, especialmente no caso das mais pobres. Cada vez que uma delas adoece as aulas são suspensas, prejudicando todas.

Por essas razões, leitora relutante, leve seus filhos para vacinar. Ao contrário dos perigos da doença, as vacinas são muito seguras. Não vá ficar morta de remorsos ao vê-los doentes, seja racional.

*Médico e escritor. Colunista da Folha de São Paulo, Caderno Ilustrada, de 01/12/2021.
Compartilhar

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário
Por favor informe seu nome aqui