*Tabata Amaral

Na ausência de projetos do Executivo, o Legislativo não tem tempo a perder.

A sociedade brasileira acumulou conquistas importantes nas últimas décadas. Nos tornamos uma democracia depois de 25 anos de ditadura militar, acabamos com a hiperinflação e tiramos milhares de pessoas da linha da pobreza. Essas mudanças só foram possíveis porque soubemos optar pelo desenvolvimento econômico com inclusão social.

O debate público raso nega nossa própria história e estudos sérios, e quer que acreditemos que o Brasil só pode ter crescimento econômico se abdicar do social – ou vice-versa.

Foi dessa maneira que, ao eleger um governo liberal na economia e conservador nos costumes, os cidadãos se veem hoje sem uma agenda social para o país. Durante a última campanha, ouvimos muitas críticas às políticas sociais dos governos petistas, mas não se erigiu no lugar uma agenda que pudesse substituir o que havia. Seguimos sem empregos formais e com um país cada vez mais desigual e sem justiça social.

Esse apagão de projetos para a área social não é fruto da ausência do que fazer, disso temos certeza, porque o cotidiano nos escancara o drama diário do nosso povo. Tampouco é resultado da falta de soluções possíveis.

O deserto político a que estamos submetidos é decorrente de um governo que nos enreda em discussões inúteis a partir de pautas que são meros balões de ensaio ideológico. Basta lembrarmos das recentes polêmicas envolvendo o Ministério da Educação e observarmos a incredulidade de outros países diante das últimas ações do ministro do Meio Ambiente.

Não podemos deixar o país caminhar rumo ao colapso social, pois essa agenda não deve ser apenas tarefa da esquerda e nem de seus ideólogos, mas sim pauta obrigatória de todos, especialmente daqueles que foram eleitos pelo povo para pensar políticas públicas eficazes.

Sabemos o que o governo quer na área econômica – prova disso são as discussões em frentes complexas e polêmicas, como as da reforma da Previdência, das concessões e privatizações e da reforma tributária. Podemos cobrar que o Executivo apresente um planejamento para além das reformas, de geração de empregos e renda, mas não há dúvida de que os temas estão postos no debate público. No campo técnico-econômico, as coisas andam. Mas não no social. Salvo os arroubos ideológicos, quais políticas e projetos palpáveis o governo tem para a educação, a saúde e a moradia?

Proposta da reforma da Previdência passa pela 1ª fase na Câmara

Precisamos arregaçar então as mangas e fazer no Congresso o que o executivo não faz – pôr em pé uma agenda social que atenda às demandas dos brasileiros. O presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia, já sinalizou a urgência de engatilhar tal processo e foi também durante algumas das conversas por ele organizadas com grupos de deputados que me dispus a pensar temas para essa frente de trabalho.

Se faz urgente a construção de uma agenda que dê novo alento às pessoas e nos tire do casulo da indiferença. O Brasil não avançará e não resolverá o passivo da sua enorme desigualdade se não pautarmos as questões sociais. Tal consenso só é possível por meio do diálogo que, ao contrário do que parece crer o presidente, não se dá apenas entre iguais.

Muitos companheiros do Congresso acreditam, como eu, que a boa política pode transformar a realidade das pessoas, não importando se vem da direita, esquerda ou centro. Construir uma agenda social para o país é uma chance única de romper a armadilha da polarização. Na ausência de projetos do Executivo, o Legislativo não tem mais tempo a perder.

*Cientista política, astrofísica e deputada federal pelo PDT-SP. Matéria na Folha de São Paulo, Caderno Opinião, de 01/07/2019.
Compartilhar
Autor Externo
As publicações são fontes externas de outros veículos de comunicação.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário
Por favor informe seu nome aqui