Ribeirinho troca motosserra por turismo na Amazônia

0
16
Estelita Hass Carazzai
*Estelita Hass Carazzai

Depois de ver o irmão ser preso, ele se deu conta de que não havia futuro em derrubar floresta.

O ribeirinho Roberto de Mendonça, 42, era da terceira geração de madeireiros de sua família. Há sete anos, abandonou o ramo para investir em turismo na floresta amazônica. Atualmente, ele tem uma pousada com oito quartos em Tumbira, comunidade à beira do rio Negro, a cerca de 120 km de Manaus.

Eu comecei a cortar madeira aos 12 anos. São três gerações de madeireiros na minha família: meu avô, meu pai e eu. Hoje, tenho orgulho de dizer que meus filhos nunca derrubaram uma madeira.

O que eu mais derrubava nessa vida era itaúba e tumaru. Mas tirava de tudo. Era de 40 metros para baixo; carregava até 100 kg nas costas. Meu avô e meu pai usavam muito machado e serrotão. Tinha que ficar em dois para cortar a árvore. Eu já comecei com a motosserra. Mesmo assim, era um serviço duro, bem suado. Eu fazia com amor, porque era a única coisa que tinha e que eu sabia fazer.

Eu falava que nunca ia parar de tirar madeira, porque eu gostava de estar no meio do mato. Entrava na segunda-feira no igarapé e só voltava no sábado. Acampava lá; deixava minha mulher, meus filhos. Porque se eu voltasse para casa, perdia muito tempo; eram duas, três horas de caminhada. E era mata primária, mesmo, direto com o curupira [risos]. Nunca vi, não, mas escutei muito sobre ele.

Eu era muito revoltado com o governo naquela época. Aqui na comunidade, 90% era madeireiro. Imagina você ficar cinco dias dentro do mato, muitas vezes sem comer, sem nada. Nós mesmos que fazíamos o escoamento da madeira, num barquinho. Daí, ali na frente, às 2h, 3h da madrugada, o cara do Ibama chegava e “pá, você está preso”. A gente pagava o pato.

turismo na Amazônia
Ribeirinho troca corte de madeira por turismo ecológico

De máquina, só tínhamos uma motosserra. E as madeireiras tinham trator, corrente, faziam uma derrubada imensa. Só que ninguém diferenciava os grandes madeireiros do cara que estava sobrevivendo ali. Essa era a minha maior revolta. Ninguém nunca trouxe alternativa. O governo pegava grandes madeireiras, também —mas, para quem tem dinheiro, tudo é fácil.

Eu fui notificado duas vezes, mas não fui preso. O meu irmão foi. Chegou a ser algemado, passou 11 dias preso. E nós ficamos 11 dias rezando. Isso foi em 2005. Ele estava arrastando tronco no rio à noite. Aí nós repensamos muita coisa. Imagina você passar o dia todo trabalhando, dando o seu último, e depois ser tratado como ladrão, traficante. Chegou no limite.

Na época, a gente pensava: não, eu não estou ajudando no desmatamento. Mas estava. Hoje somos 600 e poucas famílias na reserva. Imagina se cada família dessas derrubasse uma árvore por dia. Todo dia, seriam 600 árvores. Em um ano, você não faria um grande desmatamento? Por isso que a madeira não tem futuro.

Quando vieram falar de turismo para mim, eu pensei: mas como vou fazer isso? Achava que era mais uma leseira baré. Eu estou no mato, não sei nem conversar direito com as pessoas. Eu achava que vocês, que não são de comunidade, fossem totalmente diferentes. Mas foi recebendo que eu percebi que somos iguais.

turismo na Amazônia
Roberto Mendonça, guia turístico e dono de pousada no Amazonas, passeia com turistas por uma trilha dentro da floresta /Bruno Santos/Folha

Não tinha quase nada de turismo aqui nessa região. Estava bem cru mesmo. Passei um ano trabalhando um pouco na pousada, um pouco no mato, ainda tirando madeira. Depois eu parei totalmente.

Para a comunidade, é muito bom. Além de trazer renda, traz conhecimento. Muitos comunitários viveram cem anos e nunca tiveram nem um pouquinho de conhecimento. Por isso é que continuam fazendo as coisas erradas.

O turista vivencia a comunidade, vai para o mato. Tem centenas de trilhas onde eu tirava madeira. Eu levo esses caras lá dentro, para ver a realidade da mata. E você nem percebe mais que foi tirado madeira. A natureza está se regenerando.

Nós já temos quatro famílias com pousadas na comunidade. Eu me comunico com os turistas por WhatsApp. Se antes minha ferramenta de trabalho era a motosserra, hoje é a beleza natural.

Já faz sete anos que parei de tirar madeira. Eu tinha muito medo de parar, mas o turismo é uma alternativa muito boa para mim e para a comunidade também.

Meu avô e meu pai eram analfabetos. Eu estudei até a quarta série. Hoje, meus filhos têm o ensino médio completo. Um está pensando em fazer faculdade de engenharia florestal; o outro, gastronomia. A minha filha quer fazer administração ou economia. O sonho é, um dia, ter um curso superior dentro da reserva.

Hoje, a renda que tenho com o turismo empata com a da madeira, mas com uma vantagem: eu sei que trabalho legalmente.

Eu gostava muito de fazer isso, mas hoje não. Não tenho mais coragem de derrubar madeira, não.

*Jornalista. Matéria na Folha de São Paulo, Caderno Cotidiano B6, de 06/05/2018.
Compartilhar
Autor Externo
As publicações são fontes externas de outros veículos de comunicação.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário
Por favor informe seu nome aqui