Pescador silencioso do lagos e dos rios da Amazônia,
Tecendo a rede dia a dia,
Fio por fio, ponto por ponto, nó por nó,
Para pegar a sulamba, o jaraqui, curimatã,
O tambaqui que era outrora tão grande,
e hoje é tão pequeno…

Repara que as geleiras, sorrateiras,
vão levando teu peixe
para Leticia e para Tabatinga,
Manaus e Santarém, ou vão para Belém,
e até para mais longe…

Enquanto tu consertas a tua rede
que a piranha rebentou,
que o jacaré cortou,
outras piranhas, feras bem maiores
Invadem os teus lagos;
Jacarés mais vorazes
Vão colocando lances
zombando do teu silencio, tua calma.

Tu deves te organizar
e tecer com teu grupo,
bem unido, na base, a uma comunidade,
uma rede segura.
Fio por fio, ponto por ponto,
nó por nó,
para te defender e defender teu povo
da extinção.

Rompe o silencio a que te habituaste.
Tu precisas gritar, tu precisas bradar
Junto com o grupo,
com tua comunidade,
antes que seja tarde.

Compartilhar
Marília Menezes
Poeta e escritora. Ex-secretária da CRB. Trabalhou na Prelazia de Itacoatiara, em 1962-1963, ao tempo do bispado de dom Francisco Paulo Mc-Hugh (1924-2003), onde dirigiu o Colégio Nossa Senhora do Rosário. Em 1997 voltou a Itacoatiara para secretariar o bispo dom Jorge Marskell (1935-1998), até sua morte no ano seguinte. Sócia correspondente da Academia Amazonense de Letras. Reside em Belém, sua terra natal.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário
Por favor informe seu nome aqui