Traição é um dos assuntos mais polêmicos que devemos tratar dentro daquilo que nós sentimos. Quando nós amamos alguém, queremos ter essa pessoa de forma incondicional, e dói muito saber que por ventura, a mesma não retribuiu esse nosso sentimento, que a mesma tratou com descaso, e até outra boca beijou. É muito relativo tudo aquilo que sentimos quando temos essa notícia, de que fomos traídos, de que não tivemos a escolha. Para quem traiu, acaba sendo como uma válvula de escape essa traição. Lógico que não podemos falar dos motivos, já que cada uma sabe de si e da dor que pode carregar. Para quem é traído, a dor de imaginar a pessoa que ama, beijando outra boca, pode ser pior que tudo. Levando-se em conta o que cada um sentiu, será que uma traição é perdoável?

Bom, você tem que analisar parte por parte para ver se dá pra seguir em frente. Primeiro você tem que analisar se a pessoa que está lhe pedindo mais uma chance está mesmo arrependida, se tudo isso que ela passou, serviu para poder entender o que ela realmente sente por você, entre outras coisas. E não adianta você falar que não consegue ver. A gente sente isso, a gente percebe pela forma como ela nos trata, pela forma como ela, após receber esse perdão, nos cativa para poder mostrar que tudo será diferente.

Caso essa pessoa se mostre realmente arrependida, se ela te pedir realmente para voltar, você deve cogitar a hipótese, caso você não sinta isso, entenda que não vale a pena, que se você perdoar, ela vai fazer de novo. Suponhamos que esse pedido de perdão seja sincero, daí você tem que partir para poder saber o que você sente em relação a tudo isso. Se você se sentir traído, magoado, mas quiser dar mais uma chance porque está vendo que o pedido é sincero, que essa pessoa já sofreu bastante com a idéia de te perder, você deve então perdoar, sem medo e nem vergonha, deve se dar uma nova chance de começar tudo de novo, tudo do zero, e fazendo isso, você terá muito mais condições para ser feliz. Porém, se você vir que não dá certo, que você não consegue nem olhar para essa pessoa sem lembrar do ato que ela fez, sem pensar no que você sofreu, não insista, dê tempo ao tempo para que esse sentimento vá embora, para você não se machuque ainda mais e nem machuque o outro, afinal, não podemos esquecer que de alguma forma tiveram uma vida em comum, ainda que essa consideração parta somente de você.

E se você perdoou, não fique a qualquer briga relembrando o que você fez, porque o que fez está feito e analisando toda a situação, você estará perdendo a razão de certa forma, porque ela pediu, mas você quem aceitou, e quem perdoa, esquece. Traição é sempre um tema bastante polemico, porque a gente não consegue nunca prever o que está por vir, o que a gente vai sentir quando souber. A gente sempre imagina, mas nunca tem certeza. Por isso, o que mais vale é você analisar seus sentimentos para saber de que moda agir e como fazer para ser feliz.

Tenho a convicção que a união de um homem e uma mulher deve ser realizada para toda a vida. Só assim se ganham condições para formar uma família onde se possam desenvolver filhos equilibrados e estáveis emocionalmente. No entanto nos deparo com situações conjugais como a traição, nas quais é muito difícil arranjar uma solução que contemple o bem estar de todos.

O que fazer para aquela mulher que o marido é ejaculador precoce e não procura tratamento? O que dizer para aquele marido cuja mulher não deseja mais ter relações? Aguenta a mão, afinal você casou para as alegrias e as tristezas? Não dá!

É preciso uma resposta ou pelo menos uma consideração que a/o leve ao encaminhamento de uma solução.

Muito melhor seria se pudéssemos acabar rapidamente com um casamento e procurarmos outra companhia que preenchesse todos os requisitos para encontrarmos uma absoluta felicidade. Isso é possível?Possível é, mas é muito difícil. Consideremos então:Quem são os responsáveis pela infelicidade do casal? Os dois! Muito bem. Qual a parte de responsabilidade que cabe a você? Se não sabe, deve admitir pelo menos uma coisa: “Você escolheu errado”. A partir dessa noção, consideremos que: Quem vai sofrer com uma separação? Todos! Inclusive você. Mas quem não tem responsabilidade nenhuma sobre sua escolha? Seus filhos. A longo prazo são os que mais vão sofrer e a quem cabe a menor responsabilidade pela má escolha de vocês.

Se a única razão de estar juntos forem eles, e nada mais existir entre vocês acredito que é melhor ter certeza absoluta disso antes que se separem, pois a situação desequilibrará mais seus filhos se vocês começarem a se separar e voltar.

E no caso de que você que foi traído ou traída e houver o aparecimento de uma outra ou de um outro? Trair ou não, como forma de se vingar? Isso realmente irá resolver seu problema?

Ocorre que qualquer ligação com alguém de fora será muito mais excitante do que com o cônjuge, pois essa pessoa trará muito prazer e pouco ou nenhum problema, pois não vive junto com você. Entretanto, antes de resolver a situação do casamento, qualquer outra relação só irá atrapalhar a sua resolução. Nesse caso, o prazer será meramente momentâneo e passível de sérias conseqüências para sua vida.

Qualquer que seja o defeito estrutural que mulheres e maridos tenham, têm que ser considerados a partir de um vértice: Por que eu achei que daria certo comigo? Será que o ejaculador precoce já não o era na época de noivado? Se você foi tão ingênua a ponto de não perceber, algo em você achou que poderia solucionar a questão? O mesmo vale para o/a alcoólatra, o/a galinha, o/a mentiroso/a, o/a sadomasoquista.

Muito bem! Se alguma coisa existe em mim de errado também, acho que nós dois precisamos nos tratar. Sem dúvida, se você tem a mínima vontade de continuar junto, é preciso procurar tratamento. Um psicanalista poderá encaminhar soluções de problemas muito antigos e que influenciaram sua vida durante anos. Ninguém que faz análise pode ter a certeza do resultado. Ah! Fazendo análise vamos continuar juntos! Não, pode ser o contrário, mas qualquer resolução que tomem terá mais base para ser tomada. Não fazemos análise também para deixarmos de ser ladrões. Fazemos análise para sermos “ o melhor ladrão do mundo e ficarmos muito contentes com isso”.

Vocês não irão fazer análise para se darem melhor! Farão para serem felizes. Se isso só for possível se separando, então se separem.

É muito comum que mulheres infelizes em um primeiro casamento porque, por exemplo, o marido era alcoólatra, saiam dessa união, e entrem em uma outra onde o marido é, por exemplo, viciado em droga. Ora: a culpa é deles? Não, é dela! Antes de uma segunda escolha, procure em você as causas da primeira errada.

Essas considerações são sempre necessárias para que se comece a ter um contorno do quadro que enfrentamos com o casal. Trair ou ter traído, não é o fim, é o começo. O que vem depois é o mais importante. Como vou me sentir? É isso que preciso? É isso que quero? Pura atração sexual! Devo trair? E depois? Bem, depois eu vejo! Agora o importante é você atender ao seu desejo! Não entre nessa! Vai dá erro!

É preciso que a pessoa em questão encontre um equilíbrio e não se deixe levar pelo princípio do prazer, mas sim pelo princípio da realidade, assim, evitará tantos transtornos para sua vida. E no mais o que vale nessa vida não é ter razão, é ser FELIZ

Compartilhar
Fabiolla Fonseca
Psicóloga, nascida em Itacoatiara, casada e mãe de duas filhas. Especialista em Psicologia Jurídica.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário
Por favor informe seu nome aqui