A saracura enfiara o bico verde
na manhã pétrea e lúcida dos galos,
feriu com o seu bico o lençol leve
do dia que se abria como um lago

de peixes de silêncio, massas ázimas
e lágrimas lavadas, vasos rudes.

A noite fora um charco turvo e duro
de sonhos e visões que se toldaram.

O tempo me acudiu na voz das aves,
nas flores dos canteiros, nos cascalhos
do muro, na resina das raízes,

na tina de águas velhas e na fina
saracura que enfiara o bico verde
na pétrea manhã lúcida dos galos.

Compartilhar
Elson Farias
*Poeta e ensaísta. Ex-presidente da União Brasileira de Escritores do Amazonas e da Academia Amazonense de Letras. Nascido em Itacoatiara é uma das glórias dessa cidade.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário
Por favor informe seu nome aqui