Com o passar dos anos a vida sexual pode se tornar menos interessante, menos ativa e acabar em segundo plano na rotina das pessoas com mais idade. O desejo pode diminuir, assim como a frequencia das relações. Mas a notícia boa é que sexo não tem idade, basta cuidar da saúde e da mente para manter a uma vida sexual ativa.

Contudo, libido e fertilidade independem da idade. Ele conta que os principais motivos da diminuição do desejo sexual são os problemas de relacionamento, as taxas hormonais e o estresse.

A idade avançada e a experiência de vida trazem perspectivas diferentes para a terceira idade. É natural que ao envelhecer o homem esteja mais preocupado com a qualidade, e não com a quantidade das relações sexuais. Então não dê tanta importância à frequencia do sexo, ela não deve ser um problema em nenhuma idade.

O maior fantasma que costuma rondar a alma masculina é a disfunção erétil, também conhecida como impotência sexual. Na terceira idade então, o medo fica ainda maior. A  disfunção é causada na maioria das vezes por questões psicológicas e circulatórias. O e esses problemas podem ser resolvidos com o tratamento adequado.

E vamos tocar num ponto delicado, porém, necessário e de suma importância a ser esclarecido e desmistificado, refiro-me à ejaculação precoce e ao sexo oral, nesta fase da vida.

A ejaculação precoce, ou prematura, é um distúrbio sexual masculino muito comum. Acontece quando o parceiro perde o controle e alcança o orgasmo antes do momento desejado. Urologistas e psicoterapeutas concluíram que a ejaculação precoce é muito mais um distúrbio emocional do que orgânico. A ansiedade e o estresse, causados por medo do fracasso, podem levar o homem a fugir da relação, agravando o problema. E cria-se um círculo vicioso: ansiedade, stress e ejaculação fora de controle.

A psicoterapia costuma resolver o problema em poucas seções. No caso do homem sofrer de depressão, o uso de antidepressivos tem sido receitado por psiquiatras quando todos os recursos naturais não produzem o efeito esperado.

A ejaculação precoce pode ser superada, desde que o casal se una para esclarecer e solucionar o problema, num papo franco e sem tabu.

A mulher suspeita que seu parceiro não sinta atração por ela, ou que seja egoísta, por gozar muito rápido, sem se importar com a insatisfação dela. Algumas partem pra brigas e acusações e outras se calam, com vergonha de cobrar, ou de dizer que não conseguem gozar. A crise conjugal se estabelece e os casais se sentem culpados e ao mesmo tempo vítimas. Antes que este problema aconteça, o homem deve reconhecer seu problema e se mostrar interessado em superá-lo. Gestos e palavras carinhosas, e o empenho em satisfazer a parceira, podem aliviar o sofrimento da mulher insegura e salvar o casamento.

A vida já é cheia de expectativas e cobranças fundadas em supostos direitos e deveres. Se levarem as tensões para cama, a transa perderá o clima e o casal deixará fugir as sensações de prazer.

Ainda que não haja penetração, o homem pode superar a ansiedade, praticando o sexo oral aliado a outros gestos de amor e isso leva o homem ou a mulher ao êxtase. O homem necessita saber como agradar à mulher e vice versa. Logo, cabe a ambos orientar seu parceiro ou (a), revelando as suas zonas erógenas.

Ela deve demonstrar prazer quando estiver chegando ao orgasmo. E o homem jamais deve interromper as carícias até que ela alcance o auge da satisfação. Ao gozar antes do seu parceiro, ela ficará cheia de tesão pra se doar a ele.

Se os problemas persistirem, o casal deve procurar a ajuda de um terapeuta. Conversem francamente com o profissional. Nada do que vocês falarem será novidade e ele não mistura religião com terapia. E a maioria dos problemas sexuais tem sua origem na repressão religiosa e nos ultrapassados conceitos de moral.

O ato sexual é fonte de prazer tão natural que não deveria ser tratado como se fosse pecado. Não desanime, mesmo que julgue o seu caso insolúvel.

Para os especialistas este é um distúrbio geralmente curável. E adotar uma alimentação balanceada, a prática de exercícios diários e visitas periódicas ao médico são uma boa receita para evitar os problemas de saúde na terceira idade.

Agora é hora de relaxar e aproveitar o melhor da vida. Cuide da sua saúde e viva plenamente.

Compartilhar
Fabiolla Fonseca
Psicóloga, nascida em Itacoatiara, casada e mãe de duas filhas. Especialista em Psicologia Jurídica.

2 COMENTÁRIOS

  1. Meu marido é diabético tipo 2 e quando fez 60 anos passou a ter disfunção erétil. Não conseguia mais ter uma ereção boa. Conversamos muito sobre o assunto e experimentamos novas posições, mas só com o sexo oral conseguimos ter muito prazer e satisfação. O interessante é que quanto mais eu fazia sexo oral nele, melhor ficava a ereção dele e mais feliz ficávamos. Posso dizer que engoli os tabus e os preconceitos, mas ganhei um casamento melhor e feliz.

  2. Parabéns pelo texto. Você aborda a questão do sexo na terceira idade de uma forma clara e simples. Eu e minha esposa estamos na terceira idade e chamei ela para lermos juntos seu texto. Na nossa idade, a rotina e os remédios de pressão fazem com que a vida sexual simplesmente desapareça, e com ela vai o dialogo, a tolerância, a alegria de viver, etc. Seguimos seu conselho sobre o sexo oral e masturbação e praticamos bastante. Estamos voltando a ter aquele tesão que tinhamos no passado.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário
Por favor informe seu nome aqui