Pesquisas recentes do IBGE apontam que a grande maioria das pessoas de baixa renda, principalmente das grandes cidades é afetada com a falta de saneamento básico e a destinação incorreta do lixo doméstico, e este problema gera um impacto imenso na Saúde da população. Segundo a Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (Pnad), são mais de 72,4 milhões de brasileiros que vivem em residências sem acesso à rede coletora de esgoto, agravando a possibilidade de doenças.

Sem acesso a rede de esgoto, as Pessoas ficam vulneráveis à contaminação de doenças infecciosas e parasitárias como diarreias, hepatites, dengue e outras causadas por contato com esgoto a céu aberto e a falta de higiene, além do grande agravante da proliferação do mosquito do Aedes Aegypti causando epidemias e aumentando os casos de dengue, zika e chikungunya em todo o país.

Este assunto me preocupa, pois todos são afetados direto ou indiretamente com as consequências desastrosas em não cuidar do nosso meio e da própria higiene. É inegável que avançamos em vários aspectos, como prevenções, vacinas, e até tratamentos de doenças graves como o câncer, mas deixamos de lado pequenas ações que poderiam minimizar doenças comuns e contagiosas com o simples tratamento de esgoto. Além disso, todos nós podemos fazer a nossa parte como cidadãos com o cuidado na destinação correta do lixo, – não poluir nossos rios, beber água filtrada, não deixar água parada nas residências, tomar as vacinas disponibilizadas pela rede de saúde e outras ações de consciência coletiva.

A pesquisa também apontou a aceleração do envelhecimento da população que somado aos maus hábitos de alimentação, sedentarismo e a falta de consciência da sociedade para viver esta faixa etária, enfrentaremos também outros problemas de saúde.

Ainda dá tempo de investirmos na base e prover melhorias para futuras gerações.

Todos nós fazemos parte do meio e precisamos nos unir e buscar soluções para gerarmos cada vez mais saúde e qualidade de vida.

Compartilhar
Euler Ribeiro
Amazonense, de Itacoatiara. Formado em Medicina em Belém (PA), o médico geriatra completou os estudos em SP e nos EUA. Foi secretário de Saúde do Estado e deputado federal. Fundador da Universidade Aberta da Terceira Idade (UnATI), ligada à Universidade Estadual do Amazonas (UEA). Membro das academias amazonenses de Letras e de Medicina.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário
Por favor informe seu nome aqui