O presente resumo acompanhado da anexa fotografia foi divulgado durante o FECANI 2014 – graças à diligente atuação do professor e intelectual Salomão Amazonas Barros, filho do homenageado. Prazerosamente, agora postamos esse importante documento, com o fito de enaltecer a memória e homenagear o grande artista popular e devotado folclorista itacoatiarense.

 

JOSÉ ALVES BARROS.

 

José Alves Barros, nascido em Itacoatiara-AM, no histórico bairro da Colônia, em 22 de Março de 1924. Era o mais novo dos cinco filhos de Joana Alves Barros e Guilherme Barros, e neto do importante empresário catalão Aquilino Barros, chegado ao Brasil em 1874. Conviveu pouco tempo sob a diligência do pai, que estudava na Europa, e de sua mãe, que o deixou precocemente órfão. Próximo dos 09 anos de idade, já sem pai e mãe, assumia sozinho os rumos de sua vida.

A maior parte de sua juventude, nos idos da década de 40, passou viajando, a trabalho, pelos rincões da Amazônia, adquirindo daí desde a habilidade de jangadeiro e cozinheiro à destreza no leme das embarcações marítimas. Zé Barros mantinha uma atenção redobrada em tudo que realizava, moldando o seu perfil de autodidata em quase tudo o que aprendeu a fazer. É dessas andanças o contato de Zé Barros com a riqueza de costumes e crenças do caboclo amazônida. Em 1949, já como pai de família, sob a influência de suas participações no boi-bumbá Garantido do Jauary, fundado, na década de 30, por Paulino Andrade e Claudomiro Azêdo, resolveu criar sua própria agremiação, o boi-bumbá Treme-terra do bairro da Colônia, que perdurou até 1953. Dessa forma, Zé Barros assinalava o seu nome entre os precursores das manifestações folclóricas de Itacoatiara, ao lado de Chico Magro, Chico Peruano, Miguelzinho e Zé Garoto.

Entre o final dos anos 40 e início dos anos 50, as festas foram muito frequentes no cotidiano de Barros. Ele estava sempre inserido, como integrante, nos antigos cordões de carnaval, dentre os quais: Os Camafeus, Os Palhaços, Os Cafuzos, Os Linguarudos e Os Marujos. Inserido no meio artístico, Zé demonstrava um notável engajamento com tudo o que era inerente ao universo das artes. Suas experiências com as cerimônias religiosas o faziam uma figura emblemática nas procissões católicas, nas tradicionais novenas e em quermesses, onde, nessas últimas, também exercia o papel de leiloeiro, junto a nomes conhecidos, como: Antoniquinho e Paulino Nazaré. Sempre em contato com o público, Barros ganhava cada vez mais prestígio popular, com a liderança que lhe era peculiar.

Além de repentista, compositor, músico e cantor, foi ainda carpinteiro, pintor e, mais tarde, escultor e restaurador de imagens de escultura, habilidade que, segundo ele, adquiriu por inspiração divina. Chegou a restaurar todas as imagens dos santos da Catedral de Itacoatiara, inclusive a da padroeira da cidade, Nossa Senhora do Rosário. Tornou-se o principal nome no ramo de recuperação e encarnação de estátuas em sua cidade e regiões vizinhas.

Em meados dos anos 80 e início dos anos 90, ocorreram suas últimas participações em eventos folclóricos e carnavalescos. Em 1985, convidado pela professora Terezinha Peixoto (então administradora da Galeria de Artes Profª. Marina Penalber), Zé Barros voltou a organizar, com ajuda de outros colaboradores, o cordão d’Os Marujos, o qual tinha como local dos ensaios a sua própria residência. O último ano em que esteve presente numa agremiação folclórica foi em 1995, no boi-bumbá Caprichoso, de Valmiro Borges. Sempre atuando no grupo de levantadores de toadas.

Zé Barros nunca quis a fama ou as glórias da notoriedade, embora elas o acompanhassem. Certamente os seus feitos o incluíram no rol das pessoas mais conhecidas da Velha Serpa. Nunca abandonou sua religiosidade, nem sua honestidade. Sempre atendeu aos convites de diversas entidades, para relatar suas memórias e do município de Itacoatiara. Em 13.08.2005, traído por complicações cardíacas, morreu em Manaus o homem que não apenas soube valorizar as tradições, crenças e costumes de sua terra, mas também se tornou testemunha ocular de acontecimentos históricos de sua gente.

ze

Compartilhar

2 COMENTÁRIOS

  1. As cidades interioranas, particularmente as do norte do Brasil, além de resguardarem o fantástico universo das tradições populares, são repositórios férteis de homens que, graças a seus feitos peculiares, metamorfosearam-se em mitos e venceram todos os limites do trágico mundo dos esquecidos. O autor desta PÁGINA de publicações, mantenedor da história de sua pátria amazônica, dá as mãos aos seus contemporâneos para trilharem as veredas da prodigiosa e perene região dos entes brasílicos. Aqui, nesse nicho, entre tantas possibilidades renascem as lendas e as figuras como Zé Barros – preludiado no esboço alvo deste comentário. Seguramente, haverá de rebentar aqui novos ramos e flores, espargindo memórias e enredos de uma gente enraizada no rico solo da sabedoria popular. Há muito o que tecer sobre as façanhas de um Zé Barros em sua terra natal. Aguardemos os próximos capítulos!

  2. As cidades interioranas, particularmente as do norte do Brasil, além de resguardarem o fantástico universo das tradições populares, são repositórios férteis de homens que, graças a seus feitos peculiares, metamorfosearam-se em mitos e venceram todos os limites do trágico mundo dos esquecidos. O autor desta PÁGINA de publicações, mantenedor da história de sua pátria amazônica, dá as mãos aos seus contemporâneos para trilharem as veredas da prodigiosa e perene região dos entes brasílicos. Aqui, nesse nicho, entre tantas possibilidades renascem as lendas e as figuras como Zé Barros – preludiado no esboço alvo deste documentário. Seguramente, haverá de rebentar aqui novos “ramos” e “flores”, espargindo memórias e enredos de uma gente enraizada no rico solo da sabedoria popular. Há muito o que tecer sobre as façanhas de um Zé Barros em sua terra natal. Aguardemos os próximos capítulos!

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário
Por favor informe seu nome aqui