Elio Gaspari
*Elio Gaspari

Num tempo de Covid, Bolsonaro, cloroquina e ‘gripezinha’, livro ‘A Decodificadora’ é uma vacina para a alma.

Está nas livrarias “A Decodificadora”, de Walter Isaacson. Num tempo de Covid, Bolsonaro, cloroquina e “gripezinha”, é uma vacina para a alma. Conta a vida da cientista americana Jennifer Doudna, Prêmio Nobel de Química do ano passado.

​Quando parece que o mundo vai acabar, algo de bom acontece. Em junho de 1940, os alemães haviam entrado em Paris, mas a americana Sylvia Beach resolveu reabrir sua livraria Shakespeare & Co. Vendeu apenas um exemplar de “…E o Vento Levou”. Dias depois Hitler visitou a cidade, mas alguém estava lendo uma boa história.

Idosos a partir de 72 anos começam a ser vacinados na capital

Começa vacinação em idosos a partir dos 72 anos na Igreja Boas Novas, na Vila Prudente RONNY SANTOS/Ronny Santos/Folhapress

Jennifer Doudna pesquisou um método de edição de genomas chamado CRISPR. Em português, “Repetições Palindrômicas Curtas Agrupadas e Regularmente Interespaçadas”. Felizmente, mesmo com um tema agreste, Isaacson é capaz de lidar com essas coisas de forma compreensível. Com sucesso, já contou a vida de Steve Jobs e Albert Einstein. Grosseiramente, o CRISPR é um método de “copia e cola” de sequências genéticas. Graças a ele, criaram-se vacinas contra a Covid em menos de um ano.

“A Decodificadora” é uma aula de ciência, uma viagem aos segredos da vida e o retrato da carreira de uma cientista encantada com a natureza. Quando criança, no Havaí, ela viu o mistério das plantas “não me toques”, aquelas que abrem e fecham suas folhas ao passar dos dedos.

Num mundo em que um presidente de Harvard disse que mulheres não têm aptidão para a ciência, Doudna ralou, mas mostrou o tamanho da bobagem. (O economista Larry Summers perdeu o emprego.)

Isaacson publicou sua biografia de Steve Jobs quando todo mundo estava familiarizado com os computadores. “A Decodificadora” apareceu no meio de uma pandemia e explica o mundo das vacinas, mas ainda parece difícil entender um universo com DNA, RNA de interferência ou as bactérias que se defendem de vírus. Mesmo assim, algum esforço ajuda as pessoas a se proteger de algo pior: a superstição.

No dia 12 de março do ano passado Jennifer Doudna ia buscar o filho num torneio de robótica quando recebeu uma mensagem avisando que o evento havia sido cancelado e todos os jovens deviam voltar para casa. Era o lockdown.

Naquele mesmo dia o presidente Jair Bolsonaro dizia, no Palácio da Alvorada:

— Eu acho… eu não sou médico, não sou infectologista. Do que eu vi até o momento, outras gripes mataram mais do que essa. No meu entender, muito mais fantasia, a questão do coronavírus, que não é isso tudo que a grande mídia propala ou propaga pelo mundo todo.

Bolsonaro e a máscara em eventos oficiais

Bolsonaro usa máscara ao lado de Davi Alcolumbre, Braga Netto, Rodrigo Pacheco e Eduardo Pazuello e Antônio Barra Torres durante entrevista coletiva, no Palácio do Planalto, onde sancionou os projetos de lei que ampliam a aquisição de vacinas Raul Spinassé – 10.mar.2021/Folhapress

Sem máscara, presidente Jair Bolsonaro participa de vídeo conferência com o presidente da Pfizer, Albert Bourla Marcos Correa – 8.mar.2021/PR

Nada de máscara durante embarque da comitiva brasileira que foi para Israel Alan Santos – 6.mar.2021/PR

Quando Bolsonaro expunha suas crenças, na Alemanha, o casal de médicos Ugur Sahin e Ozlem Türeci firmou uma parceria com a Pfizer para produzir uma vacina que transporta informações genéticas, o tal RNA mensageiro.

A dupla sabia que o coronavírus resultaria em algo muito diferente das “outras gripes”. Sua vacina já foi aplicada em cerca de 20 milhões de pessoas. Em novembro a empresa fundada pelos dois valia US$ 21 bilhões. Tornaram-se uma das famílias mais ricas do país e continuam no mesmo apartamento. O casal contará sua história num livro que sairá no fim do ano.

(O Ministério da Saúde brasileiro só comprou vacinas da Pfizer na semana passada.)

Boa ideia

Corre no Conselho da Justiça Federal do STJ uma ideia que parece boa, simples e barata. É a criação de Varas de Inquérito.

Sem precisar criar um só cargo, separam-se nas ações penais os juízes que cuidam de inquéritos e aqueles que prolatam sentenças. Na prática, se o Sergio Moro estivesse numa Vara de Inquérito poderia fazer tudo o que fez, mas, quando chegasse a hora da ação penal, o caso iria para outro juiz.

Essa mudança pode ser feita sem grandes sobressaltos e sem novas despesas. Tem a vantagem de impedir o surgimento de novas repúblicas de Curitiba ou, pelo menos, tornar mais difícil o seu aparecimento.

*Jornalista. Artigo na Folha de São Paulo, Caderno Poder, de 20/03/2021.
Compartilhar

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário
Por favor informe seu nome aqui