*Arthur Cezar Ferreira Reis

Elson Farias é a poesia viva do Amazonas. sem desmerecer dos que fazem dos motivos poéticos a sua constante de inteligência, na sua expressão criadora, não é possível deixar de registrar o que há de profundo, de belo e de eterno na obra do poeta.

Minhas emoções, nesse particular, são escassas, muito escassas. Quando li, porém, os versos do poeta, experimentei a sensação de alguma coisa que fala realmente ao espírito e lhe proporciona momentos de abstração de alegria intensa.

No livro de hoje, que as Edições do Governo do Estado estão lançando, Elson Farias afirma-se, com maior intensidade e maior conteúdo de beleza, como a figura de maior categoria entre as figuras novas da geração que promove a revolução intelectual em nossa terra. E essa revolução não é falha em valores, em sugestões, em dignidade cultural. Ao contrário, há nos quer a realizam um grupo admirável de que o Amazonas se deve orgulhar porque realmente reflete a sua decisão de elaborar, aos imperativos de um meio áspero, mas também às seduções de uma natureza violenta que não se pode interpretar na adjetivação inexpressiva, banal, sem propriedade, a mensagem que lhe reflita o estado de espírito e como tal a inquietação da nossa gente.

*O maior historiador da Amazônia. Nasceu em Manaus (08/01/1906) e faleceu no Rio Janeiro (07/02/1993). Autor de mais de cem livros sobre a Amazônia. Ex-governador do Amazonas (1964/1967). Presidiu a SPVEA (atual SUDAM), o INPA e o Conselho Federal de Cultura/MEC. Foi membro do Instituto Histórico e Geográfico Brasileiro, da Academia Amazonense de Letras e dos Institutos Geográficos e Históricos do Amazonas, Pará, Mato Grosso, Bahia, Ceará e Maranhão. O texto acima foi extraído do seu livro de estreia, “História do Amazonas”, Manaus, 1931.
Compartilhar
Autor Externo
As publicações são fontes externas de outros veículos de comunicação.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário
Por favor informe seu nome aqui