Domingo foi dia de emoção na Arena da Amazônia, batendo record de público e renda. Felizmente mulheres e crianças voltaram ao estádio na capital, fazendo parte do cenário multicor da festa da torcida por Manaus. Arena totalmente lotada e a torcida dá seu toque especial com as charangas e a ôla que, de quando em vez, fazia onda movimentando todos os setores da arquibancada. Pessoas de todos os cantos do interior estavam lá torcendo e também fazendo pose para as selfies.

Parece que o amazonense se conciliou com as cores vivas da bandeira do Amazonas, afinal faz muito tempo que os torcedores não frequentavam em massa para prestigiar seus clubes na arena das disputas e torcer pelas cores clubísticas e o Manaus FC fez o que o Governo não fez, unir todas as torcidas em torno de si. O desleixo, a falta de organização e a forma amadora como os dirigentes comandavam os clubes e a corrupção na Federação Amazonense de Futebol não foram capazes de apagar as cores da Amazônia.

Mas o que o geraldino viu foi a um campo maltratado, com inúmeras partes do gramado reclamando mais cuidados, com vários espaços em branco naquele que já foi um tapete verde quando o narrador João Bosco o chamava de ‘Colosso do Norte’, obra do arquiteto Severiano Porto homenageado por três vezes com um selo comemorativo e de circulação nacional pela EBTC – Empresa Brasileira de Correios e Telégrafos e projeto premiado pelo Instituto dos Arquitetos do Brasil.

O povo que estava lá prestigiando o evento soube que no dia anterior ocorreu a pelada de uma empresa multinacional e, talvez, por isso acredita-se que partes do gramado que faltavam as verdinhas tenham sido pisoteadas e avariado várias locais já que os claros visualmente eram notados por todos. A Arena da Amazônia foi construída com recursos públicos, assim como o Antigo Vivaldo Lima, o povo vai pagar durante 20 anos e não deveria ser cedido para peladas dos amigos do Governador e nem do Secretário de Esporte do Estado. O caso deveria ser investigado.

Foi uma festa bonita onde o público amazonense mostrou ao Brasil que aquele equipamento público não é um elefante branco, inutilizado pelo tempo como afirmam as emissoras de televisão de sul do país e alguns jogadores da seleção.  Porém necessita de cuidados por parte do Governador que nunca aparece em um evento dessa monta para ser homenageado e receber o batismo de fogo da torcida. E ainda falta a inauguração do Museu Internacional do Esporte com 10 mil peças olímpicas, colecionadas pelo dirigente esportista Roberto Gesta.

Foi um jogo difícil na visão da maioria dos torcedores, mas o importante é que as crianças já sabem escalar de cor os jogadores do Manaus FC., clube que tem poucos anos de existência amealhados com jogadores dos quintais amazônicos e que tem um presidente que vai para a rua vender rifas para pagar os salários do plantel e um torcedor louco que vende ingressos em seu próprio veículo, atravessando a cidade.

Parabéns a diretoria, a gestão técnica do treinador e aos jogadores que se empenharam para lutar pelos sonhos da torcida amazonense e colocar o futebol amazonense em destaque na imprensa nacional. Vai Manaus!

Compartilhar
J.R Lopes
É jornalista. Natural de Itacoatiara (AM).

1 COMENTÁRIO

  1. Que texto fantástico obrigado meu amigo escritor por lembrar que de mim que cruEo diversas vezes a cidade de leste a oeste e de norte a sul vendendo ingressos e entregando nas portas das residências e fábricas facilitando pra que as pessoas pudessem comprar seus ingressos e poder participar dos jogos e graças a Deus chegamos a série C do Brasileirão parabéns Manaus FC !

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário
Por favor informe seu nome aqui