Peço licença, ó Mãe de Nazaré,
E a Euclides Farias, o poeta,
De, em paráfrase nova, entoar
Lírio Mimoso”, em versos de profeta,
Neste dois mil e vinte de “amargura”,
Entrelaçando o Círio com “doçura”.

Nós queremos, assim, nos alegrar:
Pois à frente, a MISSÃO conclama e exorta.
É o vosso “doce riso” que desponta
E é o”vosso amor que nos conforta”.

Quantos males envolvem nosso mundo!
Que “angústias” e dor! – o povo clama!
Mas a “Flor da inocência” nos anima
Com sua “suavíssima essência”
“que sobre nós se derrama”!

Quantos “suspiros e ais!”
Que difícil isolamento!
“A vida”, quase, “nós sentimos morta”!
Vos invocamos, Mãe, nesse momento,
E “o vosso amor nos conforta!”

“Ao amado Jesus” pedimos força,
Uma gota de orvalho” em meio às dores
“Que a luz da Fé” venha revigorar
“As almas” de nós todos – “pecadores”

Ó “bendito farol”,ridente Aurora”!
Com “os esplendores dos hinos”,
cidade inteira: que repiquem sinos,
Trazendo “paz”, mais vigor à nossa Fé.
Com vossa “Bênção bondosa”
Estremecida “SENHORA DE NAZARÉ.”

(Nota: As duas últimas linhas da estrofe final são a paráfrase de uma parte do estribilho, que é de autoria do advogado paraense Aldebaro   Klautau.)

Compartilhar
Marília Menezes
*Poeta e escritora. Ex-secretária da CRB. Trabalhou na Prelazia de Itacoatiara, em 1962-1963, ao tempo do bispado de dom Francisco Paulo Mc-Hugh (1924-2003), onde dirigiu o Colégio Nossa Senhora do Rosário. Em 1997 voltou a Itacoatiara para secretariar o bispo dom Jorge Marskell (1935-1998), até sua morte no ano seguinte. Sócia correspondente da Academia Amazonense de Letras. Reside em Belém, sua terra natal.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário
Por favor informe seu nome aqui