Outubro Rosa é um movimento internacional que surgiu na década de 90 para conscientizar as mulheres sobre o câncer de mama. Segundo o Instituto Nacional do Câncer (INCA), em 2018 59.700 mulheres terão algum tipo de câncer, o segundo mais recorrente entre as mulheres do País. Por isso, são vistas grandes campanhas para orientação, diagnósticos e tratamentos para a redução da mortalidade desta enfermidade. Estudos já comprovaram que o câncer de mama não tem uma causa única, além da hereditariedade, há também fatores externos como comportamentais e ambientais.

Independente da causa, o diagnóstico precoce hoje é um grande aliado para a eficácia do tratamento. O auto-exame é recomendado para todas as mulheres a partir da primeira menstruação, toda vez que menstruar (cerca de uma semana depois) faça o exame simples com a palma da mão e a ponta dos dedos, fazendo uma massagem da sua mama sobre o tórax e apalpando com a ponta dos dedos para ver se encontra alguma lesão endurecida parecendo uma bola de gude pequena endurecida e nem sempre dolorida. Apalpe também as axilas para verificar se existe algum gânglio dolorido sem inflamação, ou no pescoço abaixo da mandíbula.

Caso encontre alguma suspeita de nódulos endurecidos, procure rapidamente um médico ginecologista ou um especialista em mamas, “mastologista”. Após a biópsia, o especialista indicará o tratamento adequado. Em todos os casos, o quanto antes agir, melhor serão as chances no tratamento.

Após os 40 anos de idade é recomendável o exame da mamografia, pelo menos a cada dois anos, procure postos de saúde ou as famosas carretas das mulheres oferecidas no sistema de saúde pública. Caso você tenha casos da doença na família, o exame da mamografia deve ser feito antes dos 40 anos para acompanhamento e prevenção.

Não há como prevenir o câncer devido à multiplicidade de causas já ditas anteriormente, mas continuo com a minha clássica recomendação: busque um estilo de vida saudável! O que podemos fazer é reduzir os fatores de riscos e estimular os fatores de proteção. Alimentar com muitas frutas e legumes, diminuir o consumo de açúcar, não fumar e nem abusar do álcool, procurar uma atividade física prazerosa e fugir do estresse. A todas as mulheres que estão em tratamento, muita fé, pensamento positivo e luta!

Compartilhar
Euler Ribeiro
Amazonense, de Itacoatiara. Formado em Medicina em Belém (PA), o médico geriatra completou os estudos em SP e nos EUA. Foi secretário de Saúde do Estado e deputado federal. Fundador da Universidade Aberta da Terceira Idade (UnATI), ligada à Universidade Estadual do Amazonas (UEA). Membro das academias amazonenses de Letras e de Medicina.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário
Por favor informe seu nome aqui