Poema recolhido da obra “Pedra Pintada (uma viagem à cidade da minha primeira infância)”, ainda inédita.

Banhos na rampa do mercado grande nas manhãs de sol,
ao largo boiavam as toras de madeira da serraria Araujo Costa,
dos olhos d’água abrolhava um fluido transparente
escorrendo entre os sulcos de argila colorida modelada com as mãos.

Nasciam pequenos bonecos de tabatinga
e animais formados dessa argila violeta, verde, branca,
araras concentradas nas barrancas do Amazonas turbulento
devorador de terra e transformador de paisagens.

Eu não queria saber de nada,
só queria pular n’água.

Compartilhar
Elson Farias
*Poeta e ensaísta. Ex-presidente da União Brasileira de Escritores do Amazonas e da Academia Amazonense de Letras. Nascido em Itacoatiara é uma das glórias dessa cidade.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário
Por favor informe seu nome aqui