O Sínodo para Amazônia é a resposta do Papa Francisco à realidade da Pan-Amazônia (compõem nove países Colômbia, Peru, Venezuela, Equador, Bolívia, as Guiana Inglesa, Guiana Francesa, Suriname, Brasil) cujo objetivo principal desta convocação é identificar novos caminhos para a evangelização do povo de Deus com atenção especial aos indígenasque sofrem com a crise da Floresta Amazônica. Com o tema “Amazônia: novos caminhos para a Igreja e por uma ecologia integral” será um Sínodo para CONHECER a riqueza do bioma Amazônico; RECONHECER as lutas e resistências dos Povos da Amazônia; CONVIVER com a Amazônia; DEFENDER a Amazônia. Sendo assim uma pauta importante dentre uma diversidade de temáticas que serão abordadas é o “rosto dos povos da Amazônia” por se tratar de uma rica diversidade sociocultural devido às suas proporções geográficas. Dos demais povos participarão no debate o camponês e sua família, os ribeirinhos, os povos da floresta (seringueiros, indígenas e quilombolas).

Com Paulo Silva Souza Sj, EI. Associado CNS-CSA e uma parte da Equipe que nos representa no Sínodo para a Amazônia.

Compartilho com todos a grande alegria de termos junto ao grupo de 25 pessoas que estarão representando a Amazônia, três Associados Missionários da CNS-CSA sendo eles: Paulo Silva Souza – Sj, E.I. Associado CNS-CSA. Maria Gorete B. de Oliveira – E.I. Associada CNS-CSA. Raimunda Paixão Braga – Sj, E.I. Associada CNS-CSA e com a Carta Convocatória do Papa Francisco como Auditora Rv. Ir. ArizeteDinelly para participação na Sala Sinodal dando voz e vez aos Povos da Amazônia. Recebam nossos agradecimentos pela disponibilidade de toda esta equipe que participará do Espaço “Amazônia: Casa Comum” um espaço pensando pela Secretaria do Sínodo, apoiado pela REPAM – Rede Eclesial Pan Amazônia onde desenvolvemos atividade de espiritualidade e animação missionária com momentos dentro e fora do Vaticano.

Equipe que nos representa no Sínodo para a Amazônia.

Com palavras de Paulo: “Do dia 6 a 7 de outubro de 2019 a Igreja estará no momento de graça ao Sínodo para a Amazônia onde se espera novos caminhos a Igreja e para uma Ecologia Integral. A gente com a equipe Itinerante se sente feliz e parte desta históriaporque tanto a Ir. Arizete que foi convidada oficialmente para participar do Sínodo na Sala Sinodal e também ter voz como Equipe Itinerante, Indígenas, membros da comunidade onde se trabalha assim um grupo de 25 pessoas. Uma parte do grupo estará indo no dia 29 de setembro e a outra parte no dia 1 de outubro e nos encontraremos em Roma onde teremos atividades tanto dentro do Vaticano quanto fora. A atividade de exposição da Amazônia, conteúdos Amazônicos e especialmente da animação missionária para dentro desses povos e também dando voz aos filhos e filhas da Amazônia que querem se expressar, dizer qual o tipo de Igreja, que tipo Evangelização e Novos Caminhos para a Igreja. Porque sabemos que os velhos caminhos estão aí mais o Papa Francisco nos convoca a novos caminhos e muito mais a uma ecologia integral, os cuidados com a nossa casa comum. No ano passado o Papa Francisco esteve em Puerto Maldonato no Peru e falava que os povos indígenas originários nunca estiveram tão ameaçados como hoje e o Cacique Raoni disse: “hoje nós estamos com medo, mais amanhã serão vocês” porque a Amazônia ela não é um pulmão do mundo mais certamente é um dos órgãos vitais onde se gera e conserva vida. Tudo estácorrelacionado e ameaçado pelos madeireiros, latifundiários, pala monocultura, pelo gado e agora também pelas políticas governamentais que visam o desmate e tudo pelo dinheiro e não pensam no bem viver dos povos. Bem viver é uma palavra usada também no contexto dos povos originários que é essa relação de viver bem com o outro, consigo mesmo e com a natureza. É isso que a gente como cristão procura e o Papa Francisco vai dizer uma palavra que também é muito boa que é o cristão que não é revolucionário, não é um bom cristão e por isso a gente aposta nestes documentos da igreja, Santarém, Doutrina Social da Igreja, Instrumento Labores que agora tem sido pensado e fundamentalmente a Laudato Si que esse hino de louvor o cuidado com a criação, com tudo que existe, também com as pessoas da criação e dos bens da criação”.

Paulo Silva Souza Sj, EI. Associado CNS-CSA.

 Paulo Silva Souza Sj, EI. Associado CNS-CSA, Indígena Francisco Chagas Chafre de Souza – Aripuanã do Povo e Olívia Joice Rocha – Associado CNS-CSA.

Com palavras do Indígena Francisco: “…O Sínodo da Amazônia para nós indígenas é uma esperança de conseguirmos apoio para preservação da Amazônia e também o respeito pela vida, pela floresta, pelos direitos dos povos indígenas e pelos ribeirinhos que que também sofrem. A nossa ida a Roma é um sonho e eu não esperava, porém creio que faremos o possível para repassar o que de fato acontece em nossa Região… O mais importante é lançar o objetivo e ter parceria. Agradeço a todos, a equipe Itinerante por nos ajudar com a oportunidade de chegar com resultado em prol de melhoria para todos da Amazônia”.

Indígena Francisco Chagas Chafre de Souza – Aripuanã do Povo.

Compartilhar
Olivia Joice
*Natural de Itacoatiara/AM. Técnica em manejo florestal. Arquiteta. Membro da Coordenação Nacional dos Associados Missionários da Congregação de Nossa Senhora Cônegas de Santo Agostinho, desenvolve planeja Missão nas Comunidades. Apoiado as Catequistas no acolhimento de crianças nos encontros de catequese. Participa de Ações Ecumênicas e Natal Solidário. Secretária da ASMOBAN - Associação de Moradores de Novo Remanso do Município de Itacoatiara.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário
Por favor informe seu nome aqui