Borboletas amarelas
deixaram de aparecer
nos espaços das janelas.

Desistiu a saracura
de cantar pela manhã
no meio de tanta chuva.

Corta no espaço um relâmpago,
o temporal na cidade
encheu as casas de pânico.

A lua sumiu nas nuvens
presa sem saber porque
entre assassinas impunes.

O urutau prega o caixão,
a corujinha se cala,
voa o vampiro ladrão.

Querem votos os políticos
e disputam seu lugar
no lugar que era do vírus.

Não guarda nenhum segredo
o poeta, está com medo.

Compartilhar
Elson Farias
*Poeta e ensaísta. Ex-presidente da União Brasileira de Escritores do Amazonas e da Academia Amazonense de Letras. Nascido em Itacoatiara é uma das glórias dessa cidade.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário
Por favor informe seu nome aqui