Estava num encontro social nas vésperas da decretação do isolamento em face da pandemia. Já se tinha notícia da existência de um terrível vírus. Havia médicos no evento.

De repente, espirrei! Por precaução, geralmente porto um lenço. Foi a minha sorte. Então me justifiquei:

Não se trata de vírus. Sempre que exagero um pouco nas refeições, e a bacalhoada estava uma delícia, eu eventualmente espirro. Não sei o porquê. Um dos convivas, um jovem médico me explicou:

– Você comeu mais do que devia. O estômago cheio forçou o diafragma e então você espirrou. Os mecanismos do espirro têm como resposta a contração do tórax e abdome. Está desculpado.

Outro médico presente complementou a explicação:

– O espirro é uma reação involuntária de nosso organismo à presença de partículas ou micróbios que causam irritação. Quando se trata de poeira ou contração do diafragma, tudo bem. Mas quando se trata de presença de vírus e bactérias?

Sou de uma família em que há muitos advogados, administradores e psicólogos. Mas há poucos médicos. Jamais pensei que os mecanismos do espirro pudessem ser assunto de uma reunião social.

Em época de corona vírus o espirro se tornou algo extremamente condenável. Acho até que mais constrangedor que um pum!

Como é um mecanismo de defesa de nosso organismo, o espirro consiste na expulsão brusca e rápida de ar e gotículas pelo nariz e boca. Daí a importância de se utilizar máscaras durante essa terrível pandemia.

Perguntei a um amigo médico, como se pode evitar o espirro. Explicou-me que caso a gente se sinta constrangido em espirrar, pode se apertar o nariz e impedir o espirro. Mas me disse para ter cuidado. Não é indicado se evitar o espirro. Pasmem! Um simples espirro tem a velocidade de 160 km/h. E então a pressão provocada quando se aperta o nariz para evitá-lo pode ser perigosa.  Perguntei-lhe, como assim?

– Pode ocorrer a ruptura dos tímpanos.!

Fiquei preocupado. Li recentemente que o famoso “saúde”, dito quando alguém espirra, vem da antiga crença de que o espirro era sinônimo de mau presságio, relacionado a doenças graves.

Em época de pandemia por vírus, espirrar virou um grande constrangimento.

Atchim! Cuidado.!

Compartilhar
Pedro Lucas Lindoso
*Bacharel em Direito e licenciado em Letras pela Universidade de Brasília. Membro efetivo do Instituto Geográfico e Histórico do Amazonas. Pertence a Associação dos Escritores do Amazonas e a Academia de Letras Ciências e Artes do Amazonas. Membro fundador da Academia de Ciências e Letras jurídicas do Amazonas.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário
Por favor informe seu nome aqui