Estas árvores altas e frondosas
Dão sombras, flores e frutas saborosas.
Á sombra ato a rede
Tomo um banho de água fresca
Provo a água, mato a sede
E deixo o tempo tomar a dianteira.
Com galhos secos faço o fogo na churrasqueira
E enquanto vira carvão e brasa.
Na varanda da casa
Cato feijão de praia e arroz.
Ponho para cozinhar os dois
Com jabá e manjericão Faço um gostoso baião
Acompanhado de cheiro verde
Limão, murupi e pirão.
Com jaraqui, e pacu bem fritos
E um tambaqui, DESTE TAMANHO,
Assado na brasa
O pessoal de casa. Diz: OBA!
Aos gritos.
Bebo um gole de licor de jenipapo,
Saboreio um suco gelado de apuruí
Tá servido?…
Para a sobremesa tem doces de cupuaçu,
Jaca e bacuri
Mas se preferir comer cajú, ingá e umari
É só pegar no galho,
Não dá trabalho.
Agora satisfeito, me deleito.
Deito na rede para me embalar
E ouvir o vento cantar no mato
Uma doce canção de ninar.
Estou em casa, no meu quintal.
Moro na Amazônia
E o mundo todo sonha
Ter um lugar igual.
Moro aqui!

Compartilhar
Ana Peixoto
*Amazonense de Manaus. Escritora, professora e filósofa. Poeta, ensaísta e autora de livros infantis.

1 COMENTÁRIO

  1. Esse poema MORO AQUI é uma exaltação às coisas naturais e às pessoas que vivem na Amazônia. A Amazônia precisa ser mais conhecida, mais bem cuidada e mais amada. Cuidemos de nossa terra com zelo e amor! Obrigada amigo Francisco Gomes da Silva, por divulgar o meu trabalho literário.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário
Por favor informe seu nome aqui