“Há um rio cuja torrente alegra a cidade de Deus…” Sl. 46,4

 

Minha mãe é um rio de águas grandes, profundas,

como “os caudais do Amazonas”.

É um rio que brotou da montanha que é Deus.

Veio trazendo os dons dessa montanha –

a coragem e a fé,

o amor e a esperança.

Veio rolando, se enriquecendo através dos anos,

com os afluentes das dores e alegrias

de que sua longa vida tem sido cheia.

 

Veio trazendo os dons para as cidades

que são seus filhos …

E estes recebem o influxo da torrente

que as fez nascer.

Essas cidades eram vilazinhas,

nascendo para a vida que vinha daquele rio.

Hoje são grandes e fortes,

e louvam o rio

que, passando, as beija.

 

Os rios dão vida às cidades

ou serão as cidades que dão vida ao rio?

É um rio que passa em nossa vida,

como diz a canção.

E a vida desse rio é uma canção …

É uma canção que o rio canta –

canção alimentada pelas chuvas de Belém,

pelo sol do Equador –

água da Graça,

sol da Eucaristia.

 

Canção da água da vida

que nossa mãe fez brotar e faz brotar,

de diversas maneiras,

sem cessar.

 

É um rio de longa história, que não pára …

E ele segue, incansável, o seu caminho,

cantando sua canção,

a caminho do mar,

do mar que é Deus.

Compartilhar
Marília Menezes
*Poeta e escritora. Ex-secretária da CRB. Trabalhou na Prelazia de Itacoatiara, em 1962-1963, ao tempo do bispado de dom Francisco Paulo Mc-Hugh (1924-2003), onde dirigiu o Colégio Nossa Senhora do Rosário. Em 1997 voltou a Itacoatiara para secretariar o bispo dom Jorge Marskell (1935-1998), até sua morte no ano seguinte. Sócia correspondente da Academia Amazonense de Letras. Reside em Belém, sua terra natal.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário
Por favor informe seu nome aqui