(1º. Lugar no IV Concurso de Poesia “CIDADE DE BELÉM”- versão 2016-2017, promovido pela  Academia Paraense de Letras -,  em homenagem aos 400 anos de Belém, em 31-01-2017).

Este meu versejar
quer ser o pagamento de uma dívida –
uma dívida grande, nestes tempos de crise,
dívida de gratidão, zelo e paixão
por  ti, minha cidade, –
– dívida que foi crescendo,
e que aspirei resgatar em instante propício.

Eis que chega o momento,
a ocasião ideal:
é o Jubileu de festa, um grande festival
dos quatrocentos anos de Belém,  o meu berço natal.

É portanto com  amor, com imenso afeto
que eu  venho ofertar
este poema a ti, ó cidade querida,

CIDADE DE BELÉM

***************

Eu te oferto, Belém, o teu “descobrimento”
há quatrocentos anos, no Forte do Castelo.
Eu te oferto teu nome de Batismo:
Santa Maria de Belém do Grão Pará.
Ao relembrar teu berço, tua infância,
fico olhando essas águas que te banham,  singradas por canoas – caravelas –
Água que vai, que vem, pois és a porta de entrada da Amazônia.
E volto meu olhar para a cidade:
Parece-me escutar : Belém, Belém-
Cidade mergulhada em mar de dor, de sofrimento,
mas também de alegria desmedida:
Um mar de vida.

Eu te oferto, Belém,  a Evangelização
que,  há quatro séculos,  nesta Amazônia se lançou
e um fértil terreno  encontrou
pois as Sementes do Verbo já estavam plantadas
dentro em seu coração.

A tua vocação estava bem patente no nome que ganhaste-
tão belo e sugestivo
e sempre redivivo :
Santa Maria de Belém – BELÉM : síntese do Natal, Cruz e Ressurreição.
Missionários partiram
entre dores, fadigas,  a força de vontade, as orações.
Surgiam aglomerados – povoados, quais fermentos.
Desobrigas… Os homens e as  mulheres catequistas…  cantos e procissões –
Que povo está nascendo ? –muitos se perguntavam.  São rebentos…

E em breve rasgavam a mata as capelinhas, a cruz e um campanário
Vilas  –  sons que emergiam da floresta
Malária – febres – festa …
Nasciam comunidades,
embriões de cidades…
E assim ocorreu:
Uma planta viçosa aqui nasceu, se firmou e cresceu :
Belém, Belém !
Este teu nome hebraico  –  BEITH-LECHEM –
É O NOME de BELÉM – CASA DO PÃO –
e  explicita, reforça a tua trajetória, teu caminho e história !

E então eu te oferto, Belém,este teu povo:
Os índios que acolheram os portugueses – o invasor-
na terra que era deles, lhes vieram mostrar
suas – as nossas riquezas:  a manga, o açaí,  remédios naturais,
a floresta e a rede, canoa, peixe farto saltitando nas águas,
e os banhos de rio, e o linguajar…

Os donos primitivos destas terras serão hoje acolhidos, bem amados ?

Eu te oferto, Belém,
Os negros transportados da Mãe África
entre horrores e dores,
para serem vendidos  no mercado de escravos
que existia em Belém,  e em outros lugares,
cujos restos nos bradam  ainda hoje.
Negros amalgamados, valendo ouro, separados dos seus…
Quanto sangue correu…
os negros que te amaram  contigo se integraram
nos  cantos e nas danças, nos costumes,
criando um novo povo,
que me inspira a formar este neologismo
em que os três elementos, numa cosmovisão,  formam um termo apenas :
Povo negrilusíndio !

Eu te oferto, Belém,
o branco, o português que se encantou contigo,
que ensinou e aprendeu.
Trouxe o Catolicismo!
E te oferto também nossos “brancos”  de hoje,
que te procuram para aqui viver
pois és cosmopolita,
não sabes dizer “Não” a quem te busca – nem o deves dizer…
És um caleidoscópio,  um mosaico gigante,
Azulejo fantástico de raças, de sabores.
Traços fortes de imagens, de valores, de aromas e de cores.

E te oferto este povo de Belém do Pará:
De coração e ouvido generoso e atento, de olho observador
de não muito falar
mas que aprendeu a gritar e a protestar
a se fazer ouvir,
a se fazer sentir.
É um povo que resiste, que insiste e que esbraveja,
um povo que persiste, com amor,
numa luta incessante, confiante, de trabalho e de insônias,  em diuturna peleja
por um dia melhor.

Eu te oferto, Belém, o teu calor, as tuas chuvaradas,
os canais transbordando, as ruas alagadas, mal tratadas,
assaltos, furto e  droga, correria,
o Pôr-do-sol nas Docas,  Ver-o-Peso,  o luar na baía – que magia!
Diárias agonias…
Todo o mal,todo o bem.
Tudo isto é Belém…

Eu te oferto, Belém,
O teu e o nosso CÍRIO!
mais que bissecular!
Vela, chama pequena, que sempre resplendeu de fé e de esperança.
Uma vela a velar –  vela de muito amor, que aumentou, se fez Círio
em  volta de Jesus, de Maria e do povo.
Círio que cresce sempre ao dividir sua luz
e ilumina o Brasil cada ano, de novo.

Eu te oferto, ó Cidade de Belém,
uma flor destes rios e igarapés que te rodeiam:
É um ícone, um símbolo…
Nela eu vejo a floresta e as águas da Amazônia,  precisando de nossa proteção:
fauna e flora, recursos e tesouros.
Vês ?  É a vitória-régia, boiando nos teus lagos…
Tudo louva e exalta o Deus da Criação, ameaçada de destruição!
Representa a Amazônia –
esplendor de beleza,
poema da natureza
que temos o dever de amar, de preservar.
Para isso, Belém,  és chamada a tornar-te  sempre mais,
grande centro de estudos e pesquisas, de comunicação.
E não é utopia, é um belo ideal de sadia ambição
num perseguir constante, com firmeza e união.

Verifico, porém,  cidade de Belém-,
que és  tu mesma, um poema inacabado:
que deve continuar a se desenvolver,
porque tens em teu nome este carisma:
seres casa do pão e  casa da partilha.
Teu nome é um desafio, um compromisso:
Seres a casa dos pães multiplicados, quanto mais repartidos,  mais doados.
Deves seguir a tua vocação de unir Amazonas e Pará,
de unir a Amazônia e o mundo.
Compromisso re-afirmado neste megaevento de fé e de alegria
Celebrado este ano, nesta terra,  com o Congresso da Eucaristia.

Deves continuar a ser a “Statio Orbis”,
A ESTAÇÃO da Amazônia – que é um MUNDO.
Sendo Casa do Pão,  geradora  de  vida  – és mãe e irmã- IRMÃE do mundo-
– um novo neologismo !
Só assim crescerás na excelsa missão
do teu nome de origem !

E neste Jubileu de quatrocentos anos, eu desejo
que os teus sinos repiquem cada dia
sinalizando o povo que te ama
com audácia, energia :
Belém, Belém :
O Jubileu prossegue !
Povo que ambiciona trabalhar com mais vigor por ti, de se empenhar,
a dar por ti a vida, o coração,
como quantos  tem feito !
Belém , casa do pão…
para o teu bem maior, ó querida cidade de Belém:
para o teu bem – além, e sempre além –

Belém, Belém !

Compartilhar
Marília Menezes
Poeta e escritora. Ex-secretária da CRB. Trabalhou na Prelazia de Itacoatiara, em 1962-1963, ao tempo do bispado de dom Francisco Paulo Mc-Hugh (1924-2003), onde dirigiu o Colégio Nossa Senhora do Rosário. Em 1997 voltou a Itacoatiara para secretariar o bispo dom Jorge Marskell (1935-1998), até sua morte no ano seguinte. Sócia correspondente da Academia Amazonense de Letras. Reside em Belém, sua terra natal.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário
Por favor informe seu nome aqui