A história de Marius Bell está ligada à do cinema manauara, ele pintava os grandes painéis de chamada dos filmes, que ficavam em frente aos principais cinemas da cidade. 

O artista plástico Marius Bell nasceu em Manaus, no dia 01 de abril de 1950, sob o nome de Mário Bezerra, e desde criança foi atraído pela arte do desenho. Aluno do terceiro ano primário, no Grupo Escolar Getúlio Vargas, sonhava em ser professor de História,provavelmente, por conta da sofreguidão com que lia gibis, romances de cavalaria e obras de Monteiro Lobato. Naquela época, já fazia desenhos espetaculares, havia descoberto os catecismos de Carlos Zérifo, e começava a ganhar alguns trocados dos colegas de classe replicando aquelas saborosas histórias em quadrinhos, com traços cada vez mais ultrarrealistas.

Jones Kkarrer, Amazonino Mendes e Marius Bell. (Foto: Divulgação/Acervo Abrahim Baze)

Na maioria das vezes, fazia desenhos com o rosto da professora, que era o terror da sala, afinal, ninguém gostava dela. Durante uma aula de português, cuja tarefa de classe era escrever o ditado “A caneca da Cecília”, recitado pela professora, Marius começou a desenhar, a pedido de um dos colegas, ele compenetrado no desenho, foi surpreendido pela sua professora que se aproximou e puxou-lhe pela orelha, antes que pudesse reagir, ela tomou o desenho de suas mãos.

Marius Bell, o promissor artista plástico, começou a trabalhar como auxiliar de gari do Departamento Estadual de Rodagem do Amazonas, após ter sido castigado pela mãe por ter feito um desenho erótico, em sala de aula. Retirar as ervas daninhas que teimavam em nascer entre os paralelepípedos da Rua Carvalho Leal, era um trabalho difícil, para executar essa tarefa estava munido de uma pequena faca artesanal feita de um pedaço de flande, como cabo de madeira. Bell não realizou seu grande sonho de ser professor de História, estudou na Universidade Luterana do Brasil (ULBRA) Arquitetura e Urbanismo até o terceiro período, não concluiu o curso, mas Manaus ganhou um tremendo artista plástico.

No interior do Amazonas, em Borba, existe outra importante obra de Marius Bell,trata-se de uma imponente imagem de Santo Antônio, ao lado da Basílica de Santo Antônio de Borba, a quinta do mundo a guardar um pequeno “relicário” com os restos mortais do santo. Esse município é considerado como a Terra dos Milagres, e recebe visitantes de várias partes do mundo, para participar dos festejos de Santo Antônio. A construção desse monumento levou quatro meses para ser concluída, foram empregados, aproximadamente,150 operários. Além disso, o artista plástico contou com parceiros importantes, como o marceneiro Edvaldo Smurf, o poeta Marcos Gomes, que colaborou na logística, Lildo Fado,responsável pela administração financeira, Pedro Profeta, que executou os desenhos ampliados e Jones Karrer, então prefeito da cidade. A estátua, que está de frente para o rio,também foi fonte de inspiração para a criação de um dos mais conhecidos poemas do jornalista e membro da Academia Amazonense de Letras, Aldisio Filgueiras: “Santo Antônio de Borba que o Diga”.

(Foto: Divulgação/Acervo Abrahim Baze)

A história de Marius Bell está ligada à do cinema manauara, ele pintava os grandes painéis de chamada dos filmes, que ficavam em frente aos principais cinemas da cidade. O artista lembra que criou a logomarca dos dez anos da Rede Amazônica, no início de sua carreira, quando trabalhou para a empresa Amazonas Publicidade LTDA.

Em 30 de outubro de 1976, participou do Oitavo Festival Brasileiro de Filme Publicitário, promovido, no Rio de Janeiro, pela Associação Brasileira de Propaganda –ABP, representando a empresa que trabalhava, Amazonas Publicidade LTDA. Durante a campanha presidencial de Fernando Collor de Mello, pintou um quadro com a foto do candidato, que posteriormente foi presenteado ao então Presidente. Participou também da exposição “Retratos de Estrelas”, e produziu o painel que resgatou a memória da Imprensa Oficial, que foi exposto na antiga sede do referido órgão.

No decorrer de sua carreira fez inúmeros cursos, como a “Importância da Propaganda no Mundo de Hoje”, no Sebrae, em 1989 e, também no Sebrae, fez o curso”Formação de Arte Finalista do treinamento”. Teve, ainda, a oportunidade de cursar a”Iniciação e Produção Comercial de TV”, promovido pela Rede Amazônica de Rádio e Televisão, em parceria com o Senac. Participou do “Programa de Desenvolvimento Empresarial” e da “Primeira Oficina Preparatória” para o Primeiro Encontro Sul-Americano das Culturas Populares e, “Segundo Seminário de Políticas de Culturas Populares”, realizado pela Secretaria de Cultura do Amazonas.

Em abril de 2008, lança-se ao seu maior desafio e como roteirista, produziu seu primeiro curta-metragem, baseado em uma monografia do Curso de História, com o título”Obras e Artes de Cemitérios”. Marius Bell segue criando seus trabalhos e participando de importantes exposições que ocorrem em Manaus e no Brasil, especialmente, nas cidades do Rio de Janeiro e São Paulo.

(Texto redigido a partir de entrevista com o artista plástico Marius Bell.)

Compartilhar
Abrahim Baze
*Amazonense de Manaus. Graduado em História pelo Centro Universitário do Norte e pós-graduado em Ensino à Distância pelo Centro Universitário UNISEB-COC, de Ribeirão Preto/SP. Recebeu o título de Notório Saber em História, pelo CIESA, de Manaus/AM. Fundador e organizador dos museus da Sociedade Beneficente Portuguesa do Amazonas, Luso Sporting Clube, Rede Amazônica, Memorial e Biblioteca Senador Bernardo Cabral, Centro Cultural Luso Brasileiro do Amazonas, Centro Universitário Luterano de Manaus, Instituto Cultural Brasil-Estados Unidos e do Atlético Rio Negro Clube. Diretor do Instituto Cultural da Fundação Rede Amazônica e apresentador dos Programas de TV: Literatura em Foco e Documentos da Amazônia. Autor de mais de 65 títulos sobra História da Amazônia. Membro da Academia Amazonense de Letras, Instituto Geográfico e Histórico do Amazonas, Academia de História do Amazonas, Academia de Medicina do Amazonas, Academia Maçônica de Letras do Amazonas, Associação Nacional de Escritores (Brasília), Associação dos Escritores do Amazonas e Academia de Letras, Ciências e Artes do Amazonas.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário
Por favor informe seu nome aqui