A formosa Lua, nosso único satélite natural, sempre exerceu um enorme fascínio aos humanos. Desde que o homem começou a raciocinar e observar a natureza e seus fenômenos.

Neste agosto ainda pandêmico de 2021, temos uma lua cheia especial que os românticos chamam de “blue moon” (lua azul). Trata-se de uma segunda lua cheia dentro de um mesmo mês do calendário.

O fato me fez recordar um clássico do cinema chamado Casa de Chá do Luar de Agosto. No elenco, Marlon Brando e Glenn Ford brilham em seus respectivos papéis, seguidos pelas ótimas atuações de Eddie Albert e Machiko Kyô.

O filme retrata uma frustrada tentativa americana de introduzir costumes ocidentais no Japão, logo após o término da 2ª guerra mundial. Na pequena aldeia de Tobiki, em Okinawa, o capitão americano Fisby recebe a missão de construir uma escola. Todavia, os habitantes do local, auxiliados pelo tradutor Sakini, provam ser mais espertos e sábios do que os americanos. Acabam conseguindo construir o que eles mais queriam: uma casa de chá totalmente funcional. No final quando todos entram na casa fica expresso o desejo de que a lua de agosto traga belos sonhos, alegrias e felicidades para todos.

Essa alegria e felicidade expressa no final do filme é o que está sendo perseguida pela humanidade, pelos habitantes do planeta, desde que esse horrível vírus assolou o planeta terra. Alegria que ocorre sob um luar em agosto.  E neste agosto de 2021 temos dois. O segundo, chamado de Blue Moon não tem nenhum significado astronômico. O termo provavelmente vem de uma expressão idiomática do inglês “once in a blue moon” que significa algo incomum, que acontece poucas vezes, raramente.

Blue Moon também é o título de uma bela e famosa canção muito conhecida pelos amantes do jazz. A letra é um pouco triste. Retrata a solidão. Sentimento que tem sido muito comum durante a pandemia. A solidão de alguém que não tem um amor, mas termina com a felicidade de ter encontrado o amor.

O que se deseja com esse luar especial de agosto é que ele traga a mágica do luar do filme. Naquele luar de agosto acabava o conflito militar entre Japão e os Estados Unidos. Veio um tempo de paz e reconstrução. É o que esperamos nesse luar de agosto de 2021. Paz e fim da pandemia.

Compartilhar
Pedro Lucas Lindoso
*Bacharel em Direito e licenciado em Letras pela Universidade de Brasília. Membro efetivo do Instituto Geográfico e Histórico do Amazonas. Pertence a Associação dos Escritores do Amazonas e a Academia de Letras Ciências e Artes do Amazonas. Membro fundador da Academia de Ciências e Letras jurídicas do Amazonas.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário
Por favor informe seu nome aqui