Instalação do Instituto Geográfico e Histórico de Itacoatiara (IGHI)

Na passada quinta-feira, 25 de junho, a cidade de Itacoatiara deu lugar à instalação do Instituto Geográfico e Histórico da cidade, instituição pública de direito privado, criado em 17 de março do corrente ano sob os auspícios do Instituto Geográfico e Histórico do Amazonas (IGHA), que tem os objetivos de estudar, discutir, investigar, desenvolver e vulgarizar a Geografia, a História e as ciências a elas conexas, nos seus diferentes ramos, princípios, relações, descobertas, progressos e aplicações, reunindo, publicando e arquivando documentos e trabalhos concernentes ao Brasil, à Amazônia e especialmente ao município de Itacoatiara. Dita solenidade ocorreu às 19:00 horas, em cerimônia virtual na plataforma Google Meet – Sala meet.google.com/fpi-ksfw-jmh, face ao momento por qual passamos de pandemia da Covid-19, compreendendo ainda a posse da Diretoria e de seus membros fundadores, totalizando 10 intelectuais de reconhecido valor profissional, científico e cultural. Os trabalhos foram conduzidos pelo cerimonialista José Augusto Lamarão. Além dos empossados, estiveram presentes: o presidente e o vice-presidente do IGHA: professor doutor José dos Santos Pereira Braga e historiador e o Francisco Gomes da Silva, o magnifico reitor da UFAM, professor doutor Sílvio Puga, os membros da Academia Amazonense de Letras (AAL) e do IGHA doutores Rosa Brito, Cláudio Chaves e Pedro Lindoso.

Releva informar que a fundação do IGHI deveu-se ao programa de interiorização do IGHA, proposto pelo presidente José Braga, que delegou a missão ao vice-presidente Francisco Gomes da Silva, experiente no ramo posto que anos atrás, incumbido pelo mesmo doutor José Braga, então presidente da AAL, orientou e definiu os rumos para a criação e instalação da Academia Itacoatiarense de Letras. Destarte, como feito naquela oportunidade, Gomes da Silva reuniu os melhores quadros de Itacoatiara, orientou-os, deu-lhes o norte e em pouco menos de seis meses o IGHI já possui registrado o seu Estatuto em Cartório e está em busca de conseguir o seu CNPJ, ganhando assim as feições de entidade jurídica de direito público capacitada a promover um duradouro e excelente trabalho a prol da ciência e da cultura de Itacoatiara e da Amazônia.

O presidente do IGHI, Claudemilson Nonato de Oliveira abriu a sessão convidando os presentes a se posicionarem para ouvir o Hino Nacional. Em seguida, dando curso ao roteiro previamente estabelecido, agradeceu inicialmente a presença do Presidente e do Vice-Presidente do IGHA, do reitor da UFAM e dos membros da AAL e do IGHA anteriormente citados, dos convidados presentes e dos Membros Fundadores da nova instituição, e então empossandos. Lamentavelmente, nenhuma das autoridades municipais compareceu, apesar de previamente convidadas. Claudemilson, a seguir, fez um ligeiro histórico da movimentação que resultou na fundação do Instituto, desde as primeiras reuniões realizadas na Associação Dom Jorge Marskell, até às seguintes na Escola Estadual Deputado Vital de Mendonça, onde, a 17 de março último, após dois meses de reuniões para elaboração de seu Estatuto sob a chancela do historiador Francisco Gomes da Silva, foi fundado o IGHI. Por fim, ressaltou:

“Conforme deliberado em Assembleia virtual a  presente sessão solene tem os objetivos de (1) instalar o Instituto Geográfico e Histórico de Itacoatiara (IGHI), fundado no dia 17 de março deste ano de 2020, sob os auspícios do Instituto Geográfico e  Histórico do Amazonas (IGHA), e dar posse aos senhores Membros Fundadores em número de 10, escolhidos na forma do artigo 6º, letra “a” do nosso Estatuto. Sem dúvida, esta é uma cerimônia cultural marcante e de grande simbolismo que honra e dignifica enormemente a história de nossa querida Itacoatiara. Solenidade que nos demonstra ainda mais admirável porque respaldada pelo glorioso Instituto Geográfico e Histórico do Amazonas (IGHA), na pessoa de seu ínclito e culto presidente doutor José dos Santos Pereira Braga. Ao presidir esta solene sessão, Sua Excelência o faz em cumprimento aos artigos 1º e 10º e seu parágrafo 1º do Estatuto do IGHI”.

O Cerimonialista chamou o Orador Oficial, professor Salomão Amazonas Barros, a quem competiu (1) anunciar a formação da Diretoria do IGHI, e (2) das seguintes Comissões Temáticas: Primeira – de Administração, Orçamento e Finanças; e Segunda: de Geografia, História, Sociologia, Arqueologia, Etnografia, Antropologia, Numismática, Hemeroteca, Cinemateca e Iconoteca, e saudará os 10 Membros Fundadores, com o resumo de seus currículos e menção do número de suas cadeiras e respectivos patronos.

A Diretoria está assim constituída:
Presidente: Claudemilson Nonato Santos de Oliveira
Vice-Presidente:  Maria de Castro Gama
Orador Oficial: Salomão Amazonas Barros
Secretária: Ednilce Ferreira Cruz Mendes
Secretária Adjunta: Katiane Campos Nogueira Vieira
Tesoureiro: Ronny Von Medeiros Guimarães Lira

As Primeira e Segunda Comissões estão assim constituídas:
1) Comissão de Administração, Orçamento e Finanças:
Claudemilson Nonato Santos de Oliveira
Ednilce Ferreira Cruz Mendes
Ronny Von Medeiros Guimarães Lira
Carlos Eleotério de Moraes

2) Comissão de Geografia, História, Sociologia, Arqueologia, Etnografia, Antropologia, Numismática, Hemeroteca, Cinemateca e Iconoteca:
Maria de Castro Gama
Katiane Campos Nogueira Vieira
Ignês Tereza Peixoto de Paiva
Salomão Amazonas Barros
Thyrso Munoz de Araújo
Zeni Soares Cavalcante

O histórico dos Dez Membros Fundadores e de seus patronos é o seguinte:
1 – Claudemilson Nonato Santos de Oliveira: Ocupante da Cadeira número 10. Natural da cidade de Itacoatiara. Ingressou na licenciatura em Geografia no ano de 1999, concluindo em 2003. É professor da rede estadual de ensino. Mestre em Sociedade e Cultura na Amazônia da UFAM. Doutor em Sociedade e Cultura na Amazônia, UFAM. Foi Secretário Municipal de Educação de Itacoatiara, bolsista do INPA em 2012, vinculado ao programa de iniciação cientifica Ciência na Escola–PCE atuando no assessoramento técnico científico a todos os municípios do Amazonas. Desenvolveu pesquisa documental juntamente com o documentarista Thyrso Munhóz de Araújo sobre o Quilombo de Sagrado Coração de Jesus do Lago de Serpa, neste município. Sua tese defendida em 2019, com o título “A KIPÁ e o COCAR: a rede intercomunitária judaica na estruturação urbana de Itacoatiara”, dá ênfase a administração do prefeito judeu Isaac José Perez. Atualmente desenvolve pesquisa no campo da História e Geografia do Médio Amazonas, especialmente em sociedade e cultura itacoatiarense.

 Patrono: Isaac José Peres. A carreira política de Isaac Pérez inicia em 1921 com a assunção ao posto de Presidente da Associação Comercial de Itacoatiara-ACI, entidade de classe aglutinadora dos interesses do comercial local. Depois em 1923 foi eleito como intendente para o triênio 1923-1925 como atesta a ata da sessão de 30 de abril de 1924. O mandato de Isaac Perez a frente da Intendência duraria até sua nomeação pelo governador Efigênio Ferreira de Salles em 1926 para assumir a Superintendência Municipal, sendo seu mandato de 1926-1930. Desse período em diante podemos confirmar que o prosseguimento das políticas de estruturação urbana, higienização, arborização e embelezamento ganham impulso. Completou obras de administrações anteriores e ainda implementou pacote de medidas e projetos para equipar e embelezar o espaço citadino, contribuindo para a regularidade do desenho da planta de situação urbana da cidade de Itacoatiara, destacando-se sua obra maior a Avenida Parque.

2 – Maria de Castro Gama. Ocupante da Cadeira número 1. Professora aposentada da Secretaria Estadual de Ensino do Amazonas, atuou como professora em Itacoatiara e gestora da unidade escolar no município de Ipixuna-Am, totalizando 36 anos de docência, contribuindo com a formação de centenas de pessoas nas zonas rurais e urbanas nessas regiões. Licenciada em História pela UFAM, Especialização em Museologia pela UFAM. Agente patrimonial com capacitação pelo IPHAM e membro do conselho municipal de Patrimônio Histórico do município de Itacoatiara-AM. Vice-presidente da Associação dos Artesãos de Itacoatiara – ARTEITA, Pesquisadora em patrimônios: imaterial, material, natural e arqueológico (valorizando os saberes e fazeres tradicionais de nossa população). Agente Social na área de empreendedorismo, serviço de apoio a mulher, ao idoso, a criança e as pessoas com deficiência no – SAMIC/Casa de Maria.

Patrono: Heloíza Chaves Pinto. Foi professora da Secretaria Estadual de Educação e Professora Assistente da UFAM. Mestre em Educação pela UFAM. Especialista em Educação de Jovens e Adultos pela UFAM. Graduada em Licenciatura Plena em Pedagogia pela Universidade Federal do Amazonas (1991), possuía vasta experiência na área de Educação no Ensino Superior, Educação Básica e Fundamental. Atuava em pesquisas na área de Ciências Humanas: Educação, Ensino-Aprendizagem, Métodos e Técnicas de Ensino e Planejamento e Avaliação Educacional. Era professora extensionista e desenvolvia vários projetos com a comunidade, inclusive o projeto com as mulheres na Unidade Prisional Dom Jorge Marskell. Foi membro da Academia Itacoatiarense de Letras.

3 – Ednilce Ferreira Cruz Mendes: Ocupante da Cadeira número 19. Nascida em Itacoatiara-Am, na comunidade Costa da Conceição. Graduada em Administração pela UFAM. Especializada em Metodologia do Ensino Superior pela Faculdade Monte Negro. Mestre em Geografia pela UFAM. Iniciou suas atividades na UFAM como Assistente em Administração, em 1992. No período de 2011-2014, foi Coordenadora Administrativa do ICET/UFAM. Atualmente é professora Assistente do ICET/UFAM, atuando nos cursos de Sistema de Informação, Engenharia de Produção e Engenharia de Software. Faz parte do Núcleo de Estudos e Pesquisas das Cidades na Amazônia -NEPECAB e do Núcleo de Economia, Tecnologia, Gestão e Inovação -NETGI. Pesquisadora na área de ciências sociais aplicadas e geografia urbana e econômica visando estudar temas ligados a composição da economia regional e suas relações com a dinâmica global.

Patrono Moysés Benarrós Israel. Empresário do setor primário e industrial. Natural de em Manaus, começou a trabalhar aos 11 anos, na firma de seu tio Isaac Sabbá. Em 1942, passou a integrar o grupo Sabbá, o maior conglomerado de empresas na época em Manaus, nas décadas de 50 e 60. Aos 21 anos se tornou sócio na empresa, a qual exerceu várias funções e trabalhou durante 38 anos no grupo. Em cada projeto bem-sucedido de nosso Estado, vamos encontrar digitais de Moysés Israel, sua contribuição ao desenvolvimento das pessoas, das indústrias, agroindústrias, tanto na capital como no interior, e muito contribuiu para o desenvolvimento da cidade de Itacoatiara, valendo ressaltar a doação do terreno onde hoje é o Campus da UFAM, os terrenos do Campus da UEA, da sede do CETAM. Apoiou a escola SESI e todo o Sistema S instalado na cidade, SENAI, SENAC, SESC, SEBRAE, bem como o Instituto Euvaldo Lodi. Suas digitais estão em todos os projetos de relevância para o desenvolvimento econômico sustentável do município de Itacoatiara.

4 – Katiane Campos Nogueira: Ocupante da Cadeira número 25. Nascida em Itacoatiara-Am, tem formação em Biblioteconomia, é Bibliotecária Documentalista da UFAM há 13 anos. Compositora Musical, premiada no FECANI em 2017, 2018 e 2019. Agente patrimonial capacitada pelo IPHAM. Membro do Conselho Municipal de Patrimônio Histórico de Itacoatiara-Am. Atualmente desempenha pesquisa documental e bibliográfica sobre a bibliometria da produção científica e cultural acerca da indexação do termo Itacoatiara-Am a nível nacional e internacional. Atuação na pesquisa documental e bibliográfica sobre Educação patrimonial: uma relação dos patrimônios históricos da cidade versus a memória cultural e paisagem urbana.

Patrono: Dom Jorge Edward Marskell. Nasceu em Hamilton, cidade da província de Ontário, no Canadá, no dia 08 de novembro de 1935. Ordenou-se padre no dia 21 de agosto de 1960, aos 24 anos de idade e, dois anos depois, veio assumir o bispado de Itacoatiara, sem saber falar uma palavra em português. Antes, porém, passou um mês em Brasília fazendo um curso intensivo de Língua Portuguesa, onde pouco aprendeu. D. Jorge dizia que aprendeu realmente a falar o nosso idioma com os meninos que brincavam em frente à igreja matriz. Apaixonado por por Itacoatiara e pelo seu povo, dom Jorge afirmava: “É um povo muito bom, querido, solidário, e alegre”, Iisso o prendeu à cidade e não o deixou sair nunca mais.

5 – Ronny Von Medeiros Guimarães Lira. Ocupante da Cadeira número 28. Nascido em Manaus. Graduado em Geografia pela UFAM, pós-graduado em Educação Profissional e Tecnológica pelo IFAM, e em Gestão Escolar pela UEA. Professor da Rede Estadual e Municipal de Ensino. Desenvolve pesquisas sobre Urbanismo e desenvolvimento Sustentável.

Patrono: Oscar Ramos. Nascido em Itacoatiara, foi um artista plástico, designer e cenógrafo brasileiro. Estudou pintura Livre com Ivan Serpa, no Museu de Arte Moderna do Rio de Janeiro, na década de 1960. Explorou novas possibilidades de artes gráficas ao lado de Luciano Figueiredo. Produziu capas de LPs (como Fa-Tal – Gal a Todo Vapor, de Gal Costa, em 1971, Araçá Azul, de Caetano Veloso, em 1972, entre outros) e trabalhou na revista Navilouca, dos poetas Torquato Neto e Waly Salomão.

  1. Ignês Tereza Peixoto de Paiva:Ocupante da Cadeira número 20. Professora Adjunta no ICET/UFAM. Tem experiência na área de Educação, da Antropologia, com ênfase em Antropologia Educacional, atuando principalmente nos seguintes temas: cultura, identidade e interculturalidade, etnomatemática, ensino/aprendizagem, didática, estágio supervisionado, linguagem, linguística indígena, letramento, Educação de Jovens e Adultos e alfabetização, letramento e criança indígena.

Patrono: Mirtes Rosa de Mendonça Lima. Grande educadora nascida em Manaus. Graduou-se em Letras pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro, após o término do curso volta a Manaus e casa-se em l941, aos 28 anos, fica viúva e tem que sustentar seus cinco filhos, é nesse momento que passa a trabalhar como professora. em Itacoatiara, onde atuou como diretora no Grupo Coronel Cruz e no dia 28 de janeiro de l957 foi homegeada pelo então secretário estadual de Educação João Mendonça de Souza, que agradeceu o seu desempenho como diretora sem ter recebido nenhuma remuneração. Mirtes Rosa Mendes de Mendonça Lima foi uma mulher virtuosa, tanto que em 11 de fevereiro de 1980 na Câmara Municipal de Itacoatiara, recebe o título de Cidadã de Itacoatiara e em l986 foi homenageada em Manaus.

7 – Carlos Eleotério de Moraes. Ocupante da Cadeira número 9. Nascido na cidade de Porto Velho no Estado de Rondônia. Técnico em pesquisas geográficas e estatísticas no IBGE há mais de 13 anos atuando como pesquisador. Veio para Itacoatiara em 1987, seguindo com sua família em busca da avó paterna. Formou-se no Ensino Médio em Magistério nessa cidade. Graduou-se em Administração pela UFAM. Especialista em Supervisão e Gestão Escolar pelo Centro de Ensino do Norte.  Cursou até o sexto período Licenciatura em Computação pela UEA, porém, face à uma tragédia familiar, em 2019 teve que abandonar o curso. Fêz ainda um ano de Mestrado em Ciências da Educação na AEBRA.

Patrono: Samuel Isaac Benchimol. Professor Emérito da UFAM, onde lecionou por mais de 50 anos em cursos de economia e direito. Pesquisador, líder comunitário (presidente do Comitê Israelita do Amazonas) e empresário (fundador do grupo Bemol/Fogás). O conjunto de sua vasta produção intelectual inclui 109 publicações dentre artigos e livros. Também se destacou pela compilação e análise de estatísticas sócioeconômicas locais, especialmente no que diz respeito à arrecadação de impostos e comércio exterior na região amazônica. Em toda a sua obra, sempre defendeu a necessidade de que o desenvolvimento sustentável da Amazônia deve respeitar quatro parâmetros e paradigmas fundamentais: ser economicamente viável, ecologicamente adequado, politicamente equilibrado e socialmente justo.

 8 – Thyrso Munhoz de Araújo. Ocupante da Cadeira número 26. Nasceu em Manaus, porém há mais de 40 anos reside em Itacoatiara. Diretor de Departamento Artístico e Cultural da Secretaria de Cultura, Turismo e Eventos. Pesquisador, escritor, documentarista e artista plástico. Há mais de 50 anos desenvolve suas atividades culturais, participando até o momento de mais de 60 exposições de artes plásticas, realiza vários projetos de pesquisa escrevendo e realizando inúmeros documentários, valorizando o Patrimônio Cultural Imaterial, Material e Natural da região. Munhóz tem sido reconhecido com inúmeros prêmios, dentre eles: Prêmio de Artes Plásticas – Álvaro Páscoa, na exposição nacional “Madeira e Matéria” com viagem a Europa patrocinada pelo Governo do Estado do Amazonas em 1999 e Prêmio Literário Cidade de Manaus patrocinado pela Prefeitura de Manaus – Conselho Municipal de Cultura em 2006.

Patrono Therezinha Peixoto. Natural de Itacoatiara, alicerçou seus conhecimentos e sua religiosidade no Instituto Nossa Senhora do Rosário. Agente Cultural em Manaus. Especialista em Educação de Adultos, curso feito no México como bolsista da UNESCO. Pós-graduada, também no México, em Desenvolvimento, Antropologia e Indigenismo. Assistente Técnica do Centro Cultural no Rio de Janeiro. Retornando a Itacoatiara, assumiu a diretoria da Galeria Marina Penalber, da AIRMA, onde desenvolveu vários trabalhos sobre resgate da história e da cultura popular do município. Por longos anos desenvolveu pesquisas, organizou e orientou grupos folclóricos tendo destacada atuação em vários setores do FECANI, durante vários anos.

9-Zeni Soares Cavalcante. Ocupante da Ceira número 14. Nasceu em Itacoatiara. Professora. Licenciada em Pedagogia pela UEA, Especialista em Sociologia pela Universidade Cândido Mendes, Especialista em História, Cultura Africana e Afro-brasileira pelo IFAM. Mestranda em Ciências da Educação, pela Universidade de Integração das Américas -UNIDA.  Membro fundadora da Associação D. Jorge Marskell, associada ativa desde de 1987 da Associação Centro Comunitário da Mulher, do Movimento de Mulheres do Amazonas – MUSAS e do Movimento de Mulheres de Itacoatiara, filiada ao Partido dos Trabalhadores, catequista, coordenadora da comunidade cristã de São José, coordenadora da pastoral da juventude e assessora da mesma. Atualmente é Coordenadora Escolar da Escola Municipal Maria Nira Guimarães.

Patrono: Maria Constança Peixoto de Paiva. Casada com Oswaldo Antonio de Paiva. Professora, Secretaria de Educação do Município de Itacoatiara. Diretora do SESI/Itacoatiara. Se dedicou às obras da Igreja em Itacoatiara. Foi ministra da Eucaristia e Formadora Religiosa de Leigos. O que a motivou fazer o Curso em Teologia pela Universidade Santa Úrsula no Rio de Janeiro. Faleceu em 10/05/1999.

10 – Salomão Amazonas Barros. Ocupante da Cadeira número 23. Nascido em Itacoatiara, cidade onde estudou todo o ensino básico e o superior. Filho do folclorista itacoatiarense: Zé Barros (Itacoatiara AM, 1924 – id., 2005). É graduado em Letras pela Universidade Federal do Amazonas (UFAM) e especialista em Ensino Superior pela Faculdade Educacional da Lapa. Foi Supervisor de pesquisa no Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Foi professor de Língua Portuguesa e Literatura Brasileira da Secretaria de Educação do Estado do Amazonas e, hoje, é Professor Titular do Instituto Federal de Educação do Amazonas (IFAM), onde ocupou também a chefia de comunicação. Todos os cargos com ingresso através de concurso público. É membro da Academia Itacoatiarense de Letras e, ainda, poeta e autor colaborador do site do historiador itacoatiarense Francisco Gomes da Silva. É citado no artigo Entre a tradução/objetivação do sujeito da Objetivação e novas subjetividades artístico-culturais, no relato de uma viagem de campo, do autor/pesquisador Edson Farias, publicado na Revista Brasileira de Gestão e Desenvolvimento, 2018.

Patrono. Antonio Vital de Mendonça. Vereador em Itacoatiara, sua terra natal, deputado estadual eleito pelo PTB em 1954, muito se dedicou a propor projetos de desenvolvimento do Amazonas e particularmente para Itacoatiara. À época da construção da Estrada Am-010, acompanhou passo a passo a elaboração dos projetos de sua abertura e, em uma de suas viagens em um pequeno avião, juntamente com os engenheiros fazendo a vistoria da referida obra, ao sobrevoar a fazenda Poranga, próximo do antigo aeroporto do Iracy, o avião deu uma pane, caindo nas proximidades do atual bairro da Prainha, vitimando todos tripulantes da aeronave. Isso no dia 9 de agosto de 1955. Considerado o “mártir da Estrada Manaus-Itacoatiara”, denominada de Torquato Tapajós desde sua inauguração em 5 de setembro de 1965, anos depois a mesma recebeu o nome de Rodovia Vital de Mendonça. Também foi dado o seu nome ao antigo Ginásio Comercial de Itacoatiara. Outra homenagem que o destaca entre seus conterrâneos itacoatiarenses foi aposição do nome de Antônio Vital de Mendonça à popular praça da Polícia.

Para sacramentar o momento histórico da instalação do IGHI, o presidente Claudemilson Nonato, retomando a direção dos trabalhos,  convidou o Presidente do IGHA, desembargador federal e professor doutor José dos Santos Pereira Braga, a OFICIALIZAR a instalação da nova instituição e dar POSSE aos Membros Fundadores antes relacionados, com respaldo no artigo 10º, parágrafo 1º do nosso Estatuto cujo teor é o seguinte: “A Sessão Solene de Instalação do Instituto Geográfico e Histórico de Itacoatiara (IGHI) será presidida pela Diretoria do Instituto Geográfico e Histórico do Amazonas (IGHA).”

Assentindo ao convite, e perfilados os até então empossados, o doutor João dos Santos Pereira Braga em ligeiras palavras e num tom cerimonioso, oficializou a instalação do IGHI e deu  Posse à sua Diretoria e aos seus Membros Fundadores.

Convidado, pronunciou-se a seguir o Vice-Presidente do IGHA, escritor e historiador Francisco Gomes da Silva, o qual, em poucos minutos discorreu sobre o trabalho de construção da nova instituição, da alegria de ter encontrado dez estudiosos itacoatiarenses dispostos a enfrentar a luta que há por vir, enalteceu a sua cidade dizendo que o IGHI será mais um instrumento de luta e proposição em prol de um futuro melhor para a Augusta Cidade da Pedra Pintada e de seu generoso povo. A criação e a instalação IGHI, disse Gomes da Silva, são acenos de luz e glória, eventos que se enquadram nas palavras místicas e simbólicas do Barão de Sant’Anna Nery, pronunciadas em Paris em 1884, no seguinte teor: “Itacoatiara é uma sociedade em marcha para um futuro de grandezas”.

Após o pronunciamento do Vice-Presidente do IGHA, foi anunciada a palavra do professor doutor José dos Santos Pereira Braga Braga, Presidente da mesma instituição, que inicialmente congratulou-se com Itacoatiara e se disse emocionado com a qualidade profissional e intelectual dos membros do IGHI. José Braga, que em décadas passadas foi juiz trabalhista nesta cidade, revelou-se feliz por haver contribuído com a ideia e efetivação da construção de uma entidade do porte do IGHI, fruto de um trabalho coerente e dedicado a interiorizar o estudo, a pesquisa e a divulgação da Historiografia Amazônica, projeto que foi inserido no programa administrativo do IGHA, ideário que, a partir de Itacoatiara, será levado a outras cidades amazonenses. Agradeceu o empenho de seu confrade e companheiro de Diretoria, Francisco Gomes da Silva, e elogiou sua capacidade de, em curto prazo, tornar real e palpável o IGHI, e formulou votos de pleno sucesso aos companheiros que assumem o IGHI.

Passava das 21:00 horas quando o presidente Claudemilson declarou encerrada a solenidade e informou que a Ata de Posse do IGHI e o Termo de Posse dos Membros da Diretoria e das Comissões será elaborado no dia seguinte pela Secretária, a qual colherá a assinatura dos sócios presencialmente, para posterior registro em Cartório e demais providências burocráticas. Finalmente, agradeceu a todos convidando aos participantes para permanecerem em posição para a foto oficial.

Compartilhar

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário
Por favor informe seu nome aqui