*Bruno Boghossian

Governo Bolsonaro oferece proteção generosa a grileiros acusados de devastação.

Em 2013, o grileiro Rodrigo Santos foi multado por devastar uma área protegida no Acre. Furioso, ameaçou o fiscal que havia aplicado a punição: “Cadeia, a gente entra e a gente sai. Caixão não. Só tem entrada, não tem saída”.

No ano seguinte, ele mudou de estratégia e tentou entrar na política para blindar suas atividades ilegais. “Se o governo quer me expulsar, eu me torno governo para ver se eles me expulsam”, afirmou Santos. Ele concorreu a deputado estadual. Recebeu 594 votos e não foi eleito.

O grileiro fracassou nas urnas, mas parece ter encontrado um caminho para o poder. O repórter Fabiano Maisonnave conta que Santos integrava um grupo de infratores ambientais que foi ao gabinete do ministro Ricardo Salles, em novembro, para reclamar da fiscalização na reserva extrativista Chico Mendes.

Ricardo Salles com infratores ambientais (dois já condenados) da Resex Chico Mendes – Divulgação Um dos participantes relatou à Folha que, no encontro, o chefe do instituto de conservação anunciou a suspensão de operações naquela área “devido ao abuso de autoridade” dos agentes do órgão.

Protesto em SP contra o governo Bolsonaro e o desmatamento na Amazônia

Manifestação em defesa da Amazônia na Avenida Paulista Bruno Santos/ Folhapress/

O governo Jair Bolsonaro insiste que há excessos no controle ambiental no país. Em vez de discutir mudanças e analisar casos específicos, oferece uma proteção generosa a quem se beneficia de ações que ferem abertamente as regras de preservação das matas e florestas.

Só neste ano, o desmatamento naquela área cresceu mais de 200%. Produtores negociam terras ilegalmente e praticam atividades econômicas incompatíveis com a reserva.

O time do lobby que foi ao gabinete de Salles incluía um ex-procurador-geral do Acre denunciado por devastação ilegal de um pedaço de terra para abrir uma estrada. Outra integrante da equipe cria gado numa região que deveria atender apenas aos seringueiros.

O grupo foi ciceroneado por parlamentares do estado que elaboram um projeto de lei para legalizar as áreas ocupadas irregularmente pela pecuária. O texto favorece perfeitamente grileiros como Santos. Ele finalmente se tornou governo.

*Jornalista. Matéria na Folha de São Paulo de 05/12/2019.
Compartilhar
Autor Externo
As publicações são fontes externas de outros veículos de comunicação.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário
Por favor informe seu nome aqui