Recebo Whats app de tia Idalina: “Queridíssimo estarei comemorando meus 70 anos em festa virtual, por vídeo conferência, no próximo sábado, as 20:00 horas, no horário aqui do Rio de Janeiro. ”

Há anos que ela comemora seus 70 anos. Idalina foi a Roma pela primeira vez durante o Concílio do Vaticano II. No papado de João XXIII. O papa do “aggionamento” como ela mesma me explicou. Portanto, tia Idalina não tem menos que 80 anos de idade.  Mas não se contesta idade de senhoras distintas. Ponto e basta.

Disse-me ainda que está empolgadíssima com seu novo lap top. Abandou o velho computador. O seu novo dispositivo é leve e já tem câmera e microfone embutido. Outro investimento de Idalina, em face do isolamento, foi também comprar um celular de última geração. E explica:

-Fui forçada a entrar na era dos aplicativos. Inclusive o do meu banco. Agora posso ver saldo, fazer transferências, pagamentos, tudo pelo meu celular. Há gente bem mais nova do que eu que não aprendeu as maravilhas de usar aplicativo de banco. E ficam nas filas de caixa eletrônico a tempo de ser contaminadas pelo corona.

Parece que a pandemia mudou consideravelmente os hábitos de tia Idalina. Ela cumpriu a quarentena total até semana passada. Mas resolveu voltar as aulas de pilates. E argumenta:

-Saio devidamente paramentada, com máscaras e luvas. Ao retornar tomo banho e troco de roupa. Estou feliz e contente com o retorno ao pilates.

A outra novidade é que Idalina está fazendo “lives” com dicas de culinária. Começou com amigas da praia, sobrinhas e parentes tanto do Rio como daqui de Manaus. A cada semana seus “telespectadores” como ela diz, aumentam. Está animadíssima com as “lives”

Nessa semana ensinou a fazer torta de banana frita. Segundo ela, a nova geração não sabe mais fazer torta de banana pacovan. Pediu pelo amor de Deus não fazer creme com leite condensado, creme de leite e maisena. Modernidade que estraga a nossa tradicional torta de banana. Eis a receita da titia: Ingredientes: 6 bananas compridas ou pacovan bem maduras; 1/2 xícara (chá) de manteiga;1 colher (sopa cheia) de canela em pó; 2 colheres (sopa) de açúcar. Para fazer o suspiro: 3 claras e 2 colheres (sopa) de açúcar. 1 colher (chá) de casca de limão raspada. E só! Corte as bananas em tiras finas. Doure as bananas na manteiga. Ainda quente, passe a banana na mistura de açúcar e canela, pelos dois lados. Coloque-as numa travessa cobrindo-as com o suspiro. Leve ao forno por 15 minutos ou até dourar o suspiro. Sirva gelada. Simples assim. Nada de cremes, por favor.

O “novo normal” de Idalina está bombando com novos dispositivos, aplicativos e “lives’.

Compartilhar
Pedro Lucas Lindoso
*Bacharel em Direito e licenciado em Letras pela Universidade de Brasília. Membro efetivo do Instituto Geográfico e Histórico do Amazonas. Pertence a Associação dos Escritores do Amazonas e a Academia de Letras Ciências e Artes do Amazonas. Membro fundador da Academia de Ciências e Letras jurídicas do Amazonas.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário
Por favor informe seu nome aqui