(Editorial da Folha de São Paulo, 29/06/2014).

Estagnação econômica solapa algumas das últimas ilusões da administração Dilma Rousseff e governo se apega a discurso  do progresso social.

A arrecadação de impostos do governo federal quase parou de crescer neste ano. De janeiro a maio, a receita aumentou apenas 0,31% em relação aos primeiros cinco meses de 2013, descontada a inflação. Trata-se de mais uma evidência de que a atividade econômica desacelera para um ritmo próximo ao da estagnação.

O número de pessoas empregadas e o total dos rendimentos do trabalho nas grandes metrópoles também parou de crescer. O crédito se expande em ritmo cada vez mais vagaroso; no caso dos empréstimos que não são regulados ou orientados pelo governo, os empréstimos ditos “livres”, o total é menor que o do ano passado.

A Receita Federal ainda estima que a arrecadação possa aumentar 2% neste ano, revisando a projeção inicial de 3,5%. Mesmo assim, o cálculo soa otimista, baseado na hipótese de que a economia crescerá 2,5% em 2014 -e desconsiderando novas reduções ou prorrogações de desonerações tributárias, como a do IPI sobre automóveis.

O próprio Banco Central considera que o PIB brasileiro avançará 1,6%. A projeção de economistas do setor privado é de 1,2%.

A frustração previsível da arrecadação torna ainda mais difícil o cumprimento da meta de superávit primário federal, a poupança do governo, desconsideradas as despesas com juros da dívida pública.

Soube-se na sexta-feira (27), para piorar o quadro, que o governo por enquanto não está conseguindo cumprir tal meta, se considerado o desempenho das contas públicas nos últimos 12 meses.

Além de explicitar o resfriamento da economia, os números da arrecadação evidenciam as dificuldades óbvias causadas pelo baixo crescimento, recentemente menosprezadas por membros da administração federal. O governo se gaba de manter baixo o desemprego e proporcionar melhorias sociais.

O nível de emprego, no entanto, começa a acusar o efeito da baixa atividade. Como era fácil antever, a pífia expansão do PIB se reflete na receita de impostos, ainda mais insuficiente para financiar a expansão de programas sociais ou investimentos em infraestrutura. Note-se que o deficit público apenas cresceu nos anos de Dilma Rousseff (PT).

A estagnação econômica, enfim, solapa algumas das últimas ilusões desta administração federal. O governo, de seu início até o terceiro ano, alardeava que o país cresceria a 6%, depois a 4%, calando-se sobre tais previsões exorbitantes diante dos resultados lamentáveis, substituindo tal propaganda pela do progresso social restante.

Também este, agora se vê, será insustentável. É mais um ciclo de fantasias que se encerra.

Compartilhar
Autor Externo
As publicações são fontes externas de outros veículos de comunicação.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário
Por favor informe seu nome aqui