o hipotireoidismo é um problema no qual a glândula tireóide não produz hormônios suficientes para as necessidades do organismo. Esta glândula é aquela que fica localizada abaixo do pescoço, popularmente chamada de “gogó”. Os hormônios liberados por ela, T4 (tiroxina) e T3 (triiodotironina) estimulam e regulam nosso métabolismo.

Atualmente a incidência varia de 0,3% a 4,6% da população geral, sendo cinco a oito vezes mais prevalentes em mulheres que em homens devido as alterações hormonais. Outros estudos apontam amostras de mulheres após a menopausa com valores superiores a 15%. Alguns casos são desencadeados precocemente em função do mau desenvolvimento ainda na fase uterina. Neste caso denominamos de hipotireoidismo congênito e na maioria das vezes os sintomas só se manifestarão tardiamente, por isso o famoso teste do pezinho deve ser feito entre o terceiro e o sétimo dia de vida do bebê para receber o tratamento adequado caso necessário.

As manifestações dependem da idade em que a patologia é desenvolvida, do tempo de evolução e da sua gravidade. Os sintomas de alerta são fadiga, intolerância ao frio, leve ganho de peso, constipação, mialgia, alterações de humor brusco e irregularidades menstruais. Após perceber estes sintomas, procure o especialista em endocrinologia, principalmente se houver histórico familiar desta doença.

Uma das causas que desencadeiam o desequilíbrio nas glândulas é o excesso de sal, apesar de precisarmos de iodo que já vem adicionado das fábricas, precisamos dosá-lo para mantermos a tireóide saudável. A Organização Mundial da Saúde recomenda apenas 5 gramas de sal diariamente, porém o consumo chega a ser de 12 gramas no prato do brasileiro.

O Tratamento correto será a reposição com uso diário de uma versão sintética do hormônio tetraiodotironina (t4), conhecida como levotiroxina, o qual tomado regularmente, fazendo controle permanente, pode reverter todos os sintomas.

Além do tratamento medicamentoso, o estilo de vida também tem efeito importante tanto na prevenção como no tratamento, a obesidade acarreta prejuízos para intervenção da doença, portanto cuide da saúde em primeiro lugar sempre!

Compartilhar
Euler Ribeiro
Amazonense, de Itacoatiara. Formado em Medicina em Belém (PA), o médico geriatra completou os estudos em SP e nos EUA. Foi secretário de Saúde do Estado e deputado federal. Fundador da Universidade Aberta da Terceira Idade (UnATI), ligada à Universidade Estadual do Amazonas (UEA). Membro das academias amazonenses de Letras e de Medicina.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário
Por favor informe seu nome aqui