Não há dúvidas que os grandes heróis dessa pandemia foram os profissionais de saúde. Muitas vezes trabalhando sem EPI’s adequados, sem recursos clínicos apropriados e vulneráveis ao terrível vírus. Muitos faleceram no exercício da profissão. Médicos, enfermeiros, dentistas, fisioterapeutas, paramédicos, auxiliares de enfermagem e de laboratórios.

Mas há uma categoria que merece o nosso respeito pelo sofrimento experimentado durante a pandemia. Refiro-me as professoras e professores do ensino fundamental. Principalmente aqueles que dão aulas nas primeiras séries. Mas especificamente as professoras alfabetizadoras. Em sua grande maioria são mulheres. Não quero desmerecer os poucos alfabetizadores homens. Longe disso.

Uma das mais belas páginas da História da Educação no Brasil foi o conhecido Ensino Normal. Presente em todas as capitais e grandes cidades. A Escola Normal tinha como alunas moças da classe média e alta brasileiras. Cursava-se o Ginasial. De lá, com excelente base em conhecimentos gerais, Português e Matemática, as meninas tornavam-se normalistas.

Os conhecidos anos dourados tanto na música quanto na nossa literatura são pródigos em relatar a essência dessas moças. Sonhadoras, educadas e bem preparadas, tornavam-se professoras. Orgulho de suas famílias, dos pais e dos maridos, ensinaram as primeiras letras a milhões de brasileiros.

Hoje essas moças cursam Pedagogia e ainda continuam nas salas de aula, alfabetizando os brasileirinhos e brasileirinhas que tomarão conta do país no futuro.

Com essa pandemia, houve parcial transmissão de conhecimento para parte da população que tem acesso a computadores e tablets. Todavia, muitos ficaram sem aulas. Principalmente os pequeninos.

Uma professora alfabetizadora me confessou, em lágrimas, que não conseguiu alfabetizar nenhuma criança nesse ano. Impossível. Salvo raras exceções em que os pais puderam colaborar e as que tinham acesso a internet. Foi um ano perdido. E ela se questiona: o que vai ser dessas crianças que não foram alfabetizadas? Serão promovidas para a série seguinte?

Infelizmente, com pandemia ou sem pandemia, os professores não são valorizados em nosso país. Não vou entrar no mérito se a eleição do Biden foi boa ou não para o Brasil. O fato é que a Sra. Joe Biden é professora. Bom para os americanos que terão uma professora na Casa Branca, como “first lady”.

Compartilhar
Pedro Lucas Lindoso
*Bacharel em Direito e licenciado em Letras pela Universidade de Brasília. Membro efetivo do Instituto Geográfico e Histórico do Amazonas. Pertence a Associação dos Escritores do Amazonas e a Academia de Letras Ciências e Artes do Amazonas. Membro fundador da Academia de Ciências e Letras jurídicas do Amazonas.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário
Por favor informe seu nome aqui