Felicidade

0
1479

1-Qual é o conceito de ‘felicidade’ na psicologia?

R: É difícil dizer o que é, mas sabemos detectar quando vimos. É simplesmente se sentir bem consigo mesmo e com os outros, mas, teimamos em não perceber no dia-a-dia: a felicidade não é uma sensação eterna, é um estado de êxtase, daqueles que se atingem nos momentos de extremo prazer.

Estar feliz ou triste é um ir e vir. Apesar de difíceis, os processos de infelicidade também funcionam como um momento para amadurecer, pensar e repensar as atitudes, os projetos.

Não há respostas concretas, mas há pistas do que leva até ela. A felicidade não é permanente porque não dá para estar bem o tempo todo. Mas também não precisa ser uma eterna projeção e nem seguir a premissa de que felicidade a gente só vê nos outros. É possível sim ser feliz e pasmem mesmo com as pequenas coisas ou num gesto apenas.

 

2-Qual a diferença entre SER feliz e ESTAR feliz? 

R: A diferença depende do seu grau de subjetividade. Ocorre que a felicidade não pode ficar adstrita apenas ‘a sua face objetiva, a exterior, ‘aquela que fere os sentidos que contribui a compensação do prazer sensorial. Contudo há um subjetivismo de muito maior efeito, que são as alegrias internas da consciência de paz, dos deveres retamente cumpridos, das satisfações que decorrem dos ideais abraçados, dos objetivos mantidos diante das lutas diárias. O mais importante disso tudo, é constatar-se como você se sente ante a vida e não o quanto possui e o que flui em sua vida.

Nesse sentido não se deve considerar a felicidade como sendo uma linha reta de emoções continuas no mesmo padrão, na mesma forma de expressar-se, porquanto, expressa-se em pequenas maneiras de existir, na transitoriedade de cada acontecimento, gerando uma melodia de alegrias que, não obstante com pausas, tem uma continuidade, uma significação, as vezes com pontos máximos e mínimos, num todo harmonioso, gerando a diferença entre estar e ser feliz.

 

3-Alegria e felicidade são sinônimos?

R: Alegria e felicidade não são sinônimos. É possível estar muito alegre e ser profundamente infeliz. A alegria é uma sensação passageira; a felicidade é um estado de espírito. A alegria pode ser provocada por festas, música e cores; a felicidade é resultado de relacionamentos sinceros, decisões acertadas e ações corretas.

A felicidade nasce de outra forma: é um conjunto formado pelas necessidades, físicas e mentais, e nossas realizações. Assim, ter momentos de diversão com os amigos é tão importante quanto tomar água durante o dia, ainda que por motivos claramente diferentes. E por mais simples que essa afirmação pareça, há muitas pessoas deixando suas necessidades de lado em busca de sonhos que são entendidos como prioritários.

Depois da criação da felicidade artificial, induzidas por drogas como o prozac por exemplo, ficou cada vez mais difícil de as pessoas saberem o que é felicidade e alegria verdadeiras. Com a sedução pós-moderna da imagem, onde parecer é mais importante do que ser , ficou ainda mais complicado saber encontrar a alegria. Sem falar na turma do hedonismo sem fim  ou os idiotizados da falsa alegria. É por isso que vimos a maioria das pessoas entrando em depressões profundas por conta desse extremismo exagerado em se ter e não ser. E sem falso moralismo, as pessoas realmente felizes precisam de tanto para serem felizes? Pensa que é fácil ser feliz vinte e quatro horas por dia?

    

4-O que é a psicologia positiva? 

R: A Psicologia Positiva é uma nova ciência que busca as potencialidades humanas em detrimento da psicologia tradicional e seu foco no negativo. Foi fundada por Martin Seligman nos finais dos anos 90 enquanto ele era presidente da Associação Americana de Psicologia. Desde criança, temos que desenvolver o habito de sempre buscar o lado bom do ser humano. Mesmo nos nossos erros, temos que buscarmos forças nas coisas boas que temos. Ou seja, eu buscar nos nossos pontos fortes o remédio para ajudar nos nossos pontos fracos. Também, sempre percebi que as pessoas focam no negativo em praticamente todas as situações. Ao invés de focar no lado positivo, com isso, o universo conspiraria ao nosso favor de uma forma bem amena.

A Psicologia Positiva acredita que simplesmente tirar alguém da depressão não significa necessariamente felicidade. Aí entra esta nova ciência que tem ferramentas importantes no processo de levar a pessoa a um estado de felicidade. Importante salientar que a felicidade é uma busca, a pessoa precisa trabalhar para conquistá-la.

 

5-A felicidade pode ser um estado permanente?

R: A felicidade participa de nossa incompletude. Nunca é plena e completa. Faço minha a brilhante metáfora de Pedro Demo:”a felicidade participa da lógica da flor: não há como separar sua beleza, de sua fragilidade e de seu fenecimento”. Como já foi dito, isso vai depender só de você mesmo e para que você permaneça sendo feliz é preciso alcançar três aspectos diferentes: prazer, engajamento e significado. Os três podem acontecer quando há, por exemplo, dedicação a Deus. Pesquisas mostram que pessoas religiosas consideram-se mais felizes que as não religiosas. Ajudar o semelhante ou se engajar em alguma causa social é outro tópico para um ser humano se sentir feliz.

 

6-De que maneira as pessoas podem aproveitar mais, prolongar ou obter esse sentimento?

R: A felicidade é permanente se a pessoa quiser que seja, embora pouco encontrada. Isso nos obriga a fazer um discurso crítico e não ingênuo sobre as chances de felicidade possível. O escritor Augusto Cury ensina dez lições fáceis e simples para dias mais felizes. A lista abaixo foi retirada de seu livroDez Leis para Ser Feliz (Editora Sextante).
1ª lição – Contemplar o belo: faça das pequenas coisas um espetáculo para os olhos;

2ª lição – Sono reparador: não leve problemas para a cama e relaxe de verdade quando estiver repousando;

3ª lição – Faça coisas fora da agenda: quebre a rotina, seja inusitado e invente atividades e caminhos diferentes;

4ª lição – Pratique exercícios físicos e tenha uma alimentação saudável: escolha uma atividade física que lhe dê prazer, alimente-se com equilíbrio e saúde;

5ª lição – Gerencie suas emoções: trabalhe sua ansiedade, medos e sentimentos destrutivos. Canalize seus sentimentos para o lado positivo;

6ª lição – Gerencie seus pensamentos: trabalhe seus pensamentos negativos e acelerados; não seja escravo deles;

7ª lição – Proteja os solos da memória: cuide e conserve os arquivos de sua personalidade;

8ª lição – Trabalhe suas perdas e frustrações: procure usar suas perdas e frustrações como lições para seu amadurecimento;

9ª lição – Seja empreendedor: corra atrás de seus sonhos, seja ousado, explore o desconhecido, experimente, mesmo que haja riscos;

10ª lição – Inteligência espiritual: tenha consciência de que a vida é uma grande resposta. Procure por Deus e agradeça a Ele pelo dia, noite, sol e universo todos os minutos.

Felicidade se é, ao contrario de se ter. Ser feliz é antes de tudo uma ação contínua e inesgotável sensação de ser feliz.

Compartilhar
Fabiolla Fonseca
Psicóloga, nascida em Itacoatiara, casada e mãe de duas filhas. Especialista em Psicologia Jurídica.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário
Por favor informe seu nome aqui