Uma das primeiras lições que o estudante de Direito aprende, é o aforismo ubi societas, ibi jus. Expressão também usada “Ubi homo ibi societas; ubi societas, ibi jus, “Onde há homem, há sociedade; onde há sociedade, há Direito.

Para a famosa antropóloga americana, já falecida, Margaret Mead a primeira evidência de civilização foi um fêmur fraturado de 15.000 anos encontrado em um sítio arqueológico. Leva-se em média cerca de seis semanas de descanso para a cicatrização de uma fratura de fêmur.

Alguém cuidou dessa pessoa. O osso quebrado foi curado. Talvez aí tenha também nascido o Direito. A vida é um direito garantido por lei. O direito à vida é o mais importante e mais discutido dentre todos os direitos abarcados pelo Código Civil Brasileiro e pela Constituição Federal.

Algum homo sapiens cuidou de seu semelhante, levando-o provavelmente para uma caverna e dando-lhe comida e assistência até sua recuperação. Deve ter sido um líder, um chefe ou um pai de família.

O processo civilizatório evoluiu e o homem, deixando de ser nômade, instala-se em pequenas comunidades. Depois vieram as vilas, cidades, as metrópoles e hoje as megalópoles.

As pandemias, como essa do corona vírus, ficavam restritas às pequenas comunidades, depois aos países e continentes. Até pouco tempo, a distância entre os países era medida em dias, meses e até anos. Meu avô libanês Daou emigrou para o Brasil com três irmãos no início do século passado. A única irmã deles, tia Amine emigrou para a longínqua Nova Zelândia com o marido. Na década de 1930, uma carta de Manaus para Auckland, via Rio de Janeiro e Londres, levava de seis meses até um ano.

Hoje falamos com os primos neozelandeses por e-mail e facebook. A comunicação virou instantânea. Os vírus e as epidemias também viajam com rapidez. Jatos de Paris ao Rio. De nova Iorque a Pequim. De Londres a Sidney varrem os céus levando passageiros, alegrias, tristezas e toda espécie de vírus e enfermidades.

Essa pandemia tem ceifado muitas vidas. Como o primitivo homem que fraturou o fêmur, todos temos direito a saúde e a vida. Hoje o problema é mundial. Precisamos de líderes para cuidar não só de uma perna, mas de milhões de infectados por esse terrível vírus.

Quanto ao facebook, tenho evitado abri-lo. Há os amigos dos amigos e conhecidos postando notícias de luto e perdas diariamente. Facebook virou faceluto.  Xô corona.

Compartilhar
Pedro Lucas Lindoso
*Bacharel em Direito e licenciado em Letras pela Universidade de Brasília. Membro efetivo do Instituto Geográfico e Histórico do Amazonas. Pertence a Associação dos Escritores do Amazonas e a Academia de Letras Ciências e Artes do Amazonas. Membro fundador da Academia de Ciências e Letras jurídicas do Amazonas.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário
Por favor informe seu nome aqui