Reinaldo José Lopes
*Reinaldo José Lopes

Heineken conseguiu liminar para construir fábrica; ICMBio havia embargado a obra por risco à região

Entre os raríssimos ícones do passado remoto do Brasil, nenhum é mais instigante —ou mais sofrido— do que o rosto de Luzia, a moça que morreu no interior de Minas Gerais há 11,5 mil anos e está entre os seres humanos mais antigos do continente americano.

Milagrosamente, a maior parte de seus ossos escapou ao incêndio do Museu Nacional em 2018. Mas, confirmando a aparente vocação de Luzia para o trágico, agora querem instalar uma fábrica de cerveja nas vizinhanças do abrigo rochoso Lapa Vermelha IV, onde os restos mortais dela foram encontrados.

Talvez você esteja acompanhando a novela nesta Folha: primeiro, os órgãos estaduais de Minas deram seu aval ao empreendimento da cervejaria Heineken; depois, o ICMBio (Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade), órgão federal, embargou a área; por fim, a Heineken conseguiu uma liminar na Justiça mineira permitindo o início das obras.

A cervejaria, porém, afirma que, antes disso, pretende demonstrar ao ICMBio que tem “todo o respaldo técnico necessário” para construir a fábrica em Pedro Leopoldo (MG) sem afetar o sítio arqueológico. Por enquanto, está tudo parado.

Luzia se tornou famosa tanto por sua vetustíssima idade quanto pela impressionante reconstrução de sua face feita por um artista britânico. Na versão mais famosa de seu busto, ela tem traços “negros”, porque o formato do crânio da moça lembra o de povos da África, da Austrália e da Melanésia.

O bioantropólogo Walter Neves, da USP, um dos principais responsáveis pela análise do crânio, propôs que ela representasse uma população humana diferente dos atuais indígenas, que teria chegado antes às Américas, carregando a fisionomia “1.0” da nossa espécie, similar à dos africanos e aborígines atuais.

A análise do DNA de outros habitantes antigos da região, cujo crânio tem a mesma morfologia peculiar, indica que a origem do povo de Luzia é ainda mais fascinante e complicada. Alguns deles parecem ter carregado um pouco da ancestralidade hoje presente nos aborígines e melanésios. Mas a maior parte de sua herança genética vem do grupo que deu origem aos indígenas brasileiros —só que de uma linhagem mais antiga, que desapareceu há 8.000 anos.

Toda essa história intrincada -seis vezes mais longa que a totalidade da história brasileira de 1500 para cá- está registrada num ambiente geologicamente frágil, os abrigos calcários de Pedro Leopoldo, Lagoa Santa e arredores. Trata-se de um contexto muito influenciado pelo nível das águas subterrâneas, que interagem com as rochas nas secas e nas cheias, como me explicou Walter Neves numa chamada de vídeo.

Luzia, a mulher mais antiga das Américas

 Reconstrução 3D do rosto de Luzia André Strauss

“Não tenho nada contra o desenvolvimento, mas é uma região delicada”, diz ele. “A verdade é que a região deveria ter sido reconhecida como patrimônio da humanidade faz muito tempo.”

Neves diz que uma comissão independente de especialistas poderia avaliar se os estudos de impacto ambiental da fábrica de fato são condizentes com a segurança de Lapa Vermelha IV, um sítio que, segundo ele, ainda poderia ser objeto de novos estudos.

Para o bioantropólogo, a alternativa econômica óbvia -transformar a região num polo turístico da pré-história brasileira- enfrenta alguns obstáculos, como o fato de que muitas das grutas da área se encontram em propriedades particulares.

Seja como for, é crucial que o debate público ajude a manter a transparência e a lisura dos empreendimentos na área. Cerveja é bom, mas a compreensão das nossas origens não tem preço.

*Jornalista e escritor. Artigo na Folha de São Paulo inserida no Caderno Ciência, de 16/10/2021.
Compartilhar

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário
Por favor informe seu nome aqui