No início da pandemia Manaus quase entrou em colapso no enfrentamento desse terrível e desconhecido corona. Nunca nossa cidade foi tão comentada no Jornal Nacional, de forma negativa, infelizmente.

Hoje o cenário mudou. Manaus apresenta quedas expressivas tanto em número de óbitos quanto de novos caso. Sabemos que o vírus ainda é uma ameaça. Portanto, continuamos tomando todas as precauções necessárias, já conhecidas de todos e amplamente divulgadas. Não se pode vacilar.

Em maio o isolamento era total e meu aniversário foi comemorado a distância, pelo sistema drive thru. Pois bem, minha netinha Maria Luísa adora aniversários. Durante o isolamento trocava presentes virtuais com os amiguinhos e parentes.

Preocupada em me presentear, em plena crise epidêmica, Maria Luísa me “emprestou” uma fraldinha, a sua naninha. O que se chama na Psicologia de “objeto de transição”. Bom exemplo é o cobertor do Linus da Turma do Charlie Brown.

Com índices favoráveis de estabilização em Manaus estamos permitidos fazer encontros com menos de dez pessoas, obedecidas todas as regras sanitárias.

Com imensa alegria, Vera e eu recebemos a visita de Maria Luísa em nossa casa pelo dia dos avós, comemorado no domingo último, dia 26 de julho.

Ficamos em grande contentamento pela visita da nossa netinha, após um longo período sem tê-la nos visitando. Em nossa casa há um espaço especial para ela, com brinquedos, um berço e muito carinho.

Foi feito um caprichado brunch para receber Maria Luísa, seus pais e sua madrinha e tia Marina. Os abraços já estavam liberados e a demonstração de carinho e o alívio de tanta saudade foi o melhor presente que poderíamos ganhar pelo tal dia dos avós, em que os católicos celebram São Joaquim e Santa Ana, avós do Menino Jesus.

Como a naninha tinha sido um presente “emprestado”, era hora de devolvê-la para Maria Luísa. Ao recebê-la de volta Maria Luísa sorriu muito e sua expressão de alegria foi enorme. A sensação que a nossa netinha nos transmitiu é que o pior da pandemia havia passado. Estávamos todos salvos. Finalmente se podia abraçar e beijar o vovô e a vovó sem perigo.

Existe presente melhor para o dia dos avós?

Compartilhar
Pedro Lucas Lindoso
*Bacharel em Direito e licenciado em Letras pela Universidade de Brasília. Membro efetivo do Instituto Geográfico e Histórico do Amazonas. Pertence a Associação dos Escritores do Amazonas e a Academia de Letras Ciências e Artes do Amazonas. Membro fundador da Academia de Ciências e Letras jurídicas do Amazonas.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário
Por favor informe seu nome aqui