(Entrevista pedida pela jornalista Valéria Barros, de O Liberal, a Irmã Marília, para a edição especial do aniversário desse jornal, em Belém-Pará).

1-A partir de quando começou a usar mais os meios digitais para se comunicar com a família e amigos?

Comecei em 1995, quando me foi pedido escrever, como freira em Coari, no oeste do Amazonas, um livro sobre a vida de Irmã Serafina Cinque, amazonense,da minha Congregação das Irmãs Adoradoras ao Sangue de Cristo,– e  de cuja causa de Beatificação fui feita vice-Postuladora.  (A Postuladora reside em Roma) Os amazônidas deram a irmã Serafina o ítulo de “Anjo da Transamazônica”pelo seu amor inexcedível a pobres,doentes e gestantes.Em 1913 foi declarada Venerável pelo Papa Francisco.

2-Foi difícil a adaptação a essas novas ferramentas que a tecnologia nos disponibiliza? quem te ajudou?

Sim, bem difícil porque eu era muito hábil na máquina de escrever  elétrica. A irmã coordenadora de minha comunidade,porém,  me fez ver que eu precisava entrar na era da computação para digitar de modo mais veloz e silencioso. Fiz um curso de 6 meses,e um técnico me ajudava. Alem do livro citado, fiz  exaustivas pesquisas, em centenas de folhas,enviando online,a vida e fama de Ir. Serafina, a fim de a Postuladora, Irmã Maria Paniccia preparar em Roma um Processo  que tem tido, graças a Deus, um bom resultado.

3-Quais os prós e contras? Ainda enfrenta dificuldades nessa nova forma de se comunicar?

Os prós são: posso rever e re-escrever minhas produções que, além de histórico-religiosas, são literárias. Os contras são dificuldades técnicas no manejo do computador e do celular, com seus segredos… Devido à idade, com a vista se tornando difícil, cometo erros, e preciso de constante ajuda, especialmente das Irmãs mais jovens e auxiliares leigos e leigas.

4- Além de se comunicar, usa a internet para adquirir novos conhecimentos? Por favor fale um pouco sobre o que mais vc gosta de explorar nesse mundo virtual? livros, religiosidade, poesia, noticiário? O que mais vc acompanha pelas redes sociais? Tem facebook? Instagram?

Uso sobretudo o Google para pesquisas pois é um meio rápido  para tudo. Acompanho o que acontece no mundo,  mas não me acostumei com o facebook, – que às vezes se confunde com meu trabalho de escritora e de tradução e versão de inglês e italiano via e-mail. Não uso outros recursos mais complicados das redes sociais nem sou experta em gravação e fotografia.

5-Sei que a senhora passou 15 anos em Belém cuidando de seu irmão Monsenhor Geraldo Menezes e que  está retornando a Manaus para sua congregação? O que vai mudar a partir de agora? Fale um pouco desse recomeçar tudo outra vez, longe da família e cada vez mais necessitando fazer uso dessa tecnologia para se aproximar de amigos e parentes?

Tenho passado muito tempo longe de minha família, já que minha Congregaçao é profundamente missionária: passei 2 anos nos EUA, 6 anos na Itália e em países diversos,  anos em cidades do interior da Amazônia. A mudança agora,porém, é difícil pela idade, saudade da terra natal, família e amigos, porém nosso bom Deus merece todo sacrifício. Recebemos muita força na oração e na meditação da Palavra de Deus, que me atraiu desde jovem. A vida comunitária, o trabalho apostólico e o apego à Igreja são indispensáveis.  Vou residir em uma casa mais apta ao cuidado com irmãs mais  idosas.  Continuo ligada à tecnologia  :  uso celular e  internet para meus trabalhos pastorais e para o contacto com parentes e amigos/as. Usamos a televisão para Missas,sobretudo com a atual pandemia, o  Noticiário mas também para diversão.

6- Acha importante que todas as pessoas acompanhem a tecnologia e possam fazer o melhor uso desse recurso ou usa apenas como necessidade? Gosta? não Gosta?

É muito importante que todos acompanhem a tecnologia e isso é recomendado fortemente pelo Papa Francisco. Gosto muito dos recursos modernos como Rádio, celular, TV, etc.  Nossa Congregação usa recursos atuais para a Evangelização e comunicação com a Vida Religiosa como reuniões virtuais, encontros online,conferencias de grupo,  lives,etc. Em um meu livro, chamado “Amazonia e o mundo” (2015, Belém), sobre meu serviço missionário,  fiz um poema intitulado O REI DO INTERNET, dando esse título a Jesus, pois acho os recursos tecnológicos – como por exemplo o celular – maravilhosos,  e frutos do engenho do Criador e do seu amor por nós, que influencia o progresso. Esse poema foi vertido para o inglês por um padre Redentorista norte-americano, já falecido, encantado com tal nome.

Compartilhar
Marília Menezes
*Poeta e escritora. Ex-secretária da CRB. Trabalhou na Prelazia de Itacoatiara, em 1962-1963, ao tempo do bispado de dom Francisco Paulo Mc-Hugh (1924-2003), onde dirigiu o Colégio Nossa Senhora do Rosário. Em 1997 voltou a Itacoatiara para secretariar o bispo dom Jorge Marskell (1935-1998), até sua morte no ano seguinte. Sócia correspondente da Academia Amazonense de Letras. Reside em Belém, sua terra natal.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário
Por favor informe seu nome aqui