Denominamos de trombose venosa profunda um determinado desvio grave da saúde em pessoas a partir dos quarenta anos de idade e mais frequente no sexo feminino, cujos seguintes fatores de risco que podem facilitar, tais como: obesidade, hipertensão, diabetes melitus, varizes nos membros inferiores, cirurgias prolongadas, alterações da coagulação sanguínea, erisipela, longas viagem de avião cujos passageiros ficam demoradamente sentados e muitas vezes de pernas cruzadas. O que se passa na verdade é a formação de um coágulo (trombo) dentro dos vasos venosos profundos dos membros inferiores. Este trombo, dependendo do tamanho, poderá se deslocar pela circulação e em seguida obstruir um vaso de coração, pulmão cérebro, que quase na maioria das vezes é fatal.

Como evitar este episódio funesto? Perda de peso, para ficar no peso ideal que guarda relação com peso e altura, cuidar das varizes, usar meias de média contensão nos membros inferiores, cuidar adequadamente do diabetes e hipertensão, não fumar e não beber bebidas alcoólicas, caminhar frequente dentro das aeronaves em longos voos. Fazer uso de medicamentos exclusivamente receitados por um médico. Fazer longas caminhadas diariamente, não comer gorduras saturadas com frequência, tomar bastante líquido durante o dia, não descuidar do sono reparador.

Todos, principalmente as pessoas de idade tardia, são sujeitas a ter um episódio de trombose venosa profunda, principalmente os sedentários e obesos. A dengue, que reduz significativamente a fração de plaquetas no sangue, envolve fator de risco alto para os diabéticos e hipertensos se forem tabagistas e ou alcóolatras.

Na gestação principalmente nas primíparas, pela distensão abdominal exagerada em fetos de grande tamanho, a compressão vascular dos membros inferiores pode proporcionar também o aparecimento de trombose profunda. Às vezes, os sintomas são relativamente insuficientes para alertar para a gravidade desta alteração da saúde. Mas na maioria das vezes os sintomas são bem evidentes, com dor no local, principalmente nas panturrilhas (batata da perna), acompanhada de calor, edema, mudança da coloração da pele da perna, que vai de um vermelho intenso ao roxo escuro nos casos mais graves, que se não forem conduzidos clinicamente de forma satisfatória, poderão resultar na amputação dos membros comprometidos.

Compartilhar
Euler Ribeiro
Amazonense, de Itacoatiara. Formado em Medicina em Belém (PA), o médico geriatra completou os estudos em SP e nos EUA. Foi secretário de Saúde do Estado e deputado federal. Fundador da Universidade Aberta da Terceira Idade (UnATI), ligada à Universidade Estadual do Amazonas (UEA). Membro das academias amazonenses de Letras e de Medicina.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário
Por favor informe seu nome aqui