*Claudia Costin

Chama a atenção o número de críticas de leigos, sem o apoio de dados. 

Acompanhando as redes sociais, chamou-me a atenção o número de críticas de leigos, sem base em dados, sobre as estratégias adotadas pelos especialistas encarregados de enfrentar a propagação da Covid-19. É natural que, dada a discordância entre médicos e virologistas no início da doença, na China, nós nos tivéssemos sentido inseguros e achássemos que a ciência poderia não ter condições de nos fornecer respostas adequadas.

Na China, robôs auxiliam no combate ao coronavírus

Homem faz checagem matinal ao chegar à empresa onde trabalha, no distrituo de Kaifu; companhias de tecnologia criaram ou adaptaram equipamentos para atuar no controle da Covid-19, checando temperatura, registrando informações e até mesmo promovendo a higienização das mãos Chen Zeguo/Xinhua /

No distrito de Kaifu, as empresas desenvolveram diferentes modelos de robôs para as checagens matinais de seus funcionários Chen Zeguo – 11.mar.20/Xinhua /

Para diminuir risco de contágio, equipamentos estão sendo fabricados e utilizados para tarefas do dia a dia e para checagens de temperatura, por exemplo.

Com a polarização instalada aqui e em parte do mundo, houve certa captura do tema por visões simplificadas e extremas da política e chegou-se quase a imaginar uma terapêutica de “direita” e outra de “esquerda” para a pandemia. Para piorar, alguns grupos religiosos optaram por lidar com a questão nos moldes do personagem Paneloux, vigário da fictícia cidade de Orã no livro “A Peste”, de Albert Camus, que, no início, apresentou a epidemia como um castigo dos céus frente à iniquidade de seus habitantes.

Em tempos de negacionismo científico, nada menos surpreendente! Se a ciência não me convém, rejeito seus achados ou construo teorias conspiratórias. Se ficarmos discutindo se a origem do vírus é chinesa ou americana, ou se há uma estratégia da direita ou da esquerda para nos imobilizar, não preciso seguir orientações que não me convêm.

Pessoas informadas e sensatas tendem a não cair nessa armadilha quando se trata de saúde, mas isso nem sempre ocorre quando o tema é educação. Afinal, como passaram por bancos escolares e o ensino lhes parece mais uma arte do que algo que possa se basear em ciência, julgam que ser professor não seria exatamente uma profissão com procedimentos rigorosos e definição mais clara do que é boa prática.

Mas, como bem elucida o livro “Preparando Professores para um Mundo em Transformação”, de Linda Darling-Hammond, recém-traduzido para o português, países com bons sistemas educacionais construíram, com base em ciência, referenciais claros do que é uma boa prática docente e mostraram que há abordagens que funcionam melhor do que outras. Mais do que isso; que elas podem e devem ser ensinadas nas universidades, na formação inicial dos professores.

Além disso, assim como na epidemiologia, há avanços em outros domínios da ciência.

Aprendemos muito nos últimos anos sobre como o cérebro armazena e recupera informações, adquire fluência na leitura ou em uma língua estrangeira ou como a motivação para persistir em situações desafiadoras pode ser ensinada. Desconsiderar esses achados por não serem semelhantes à forma como fomos ensinados em tempos pretéritos equivaleria a pensar que operações de coração deveriam ser feitas como eram nos anos 1950!

*Professora. Artigo na Folha de São Paulo, Caderno Opinião, de 27/03/2020.
Compartilhar

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário
Por favor informe seu nome aqui