“A diretoria do Atlético Rio Negro Clube desdobrava-se para providenciar uma recepção especial à nossa Miss Amazonas, Edna Frazão Ribeiro, correspondendo, assim, ao merecimento da homenageada”

Era o ano 1929, a diretoria do Atlético Rio Negro Clube desdobrava-se para providenciar uma recepção especial à nossa Miss Amazonas, Edna Frazão Ribeiro, correspondendo, assim, ao merecimento da homenageada, que tão dignamente acabara de elevar o nome do Amazonas. Era uma tarde de festa, o povo estava nas ruas, à sua espera.


A chegada da Miss Edna Frazão Ribeiro ao bordo do Paquete Campos Sales. (Foto:AcervoAbrahimBaze)

Uma tarde ensolarada na encantadora cidade de Manaus, às 14:30h, um telefonema avisa as autoridades do Palácio Rio Negro que o paquete ” Campos Sales”, do Lloyd Brasileiro está à vista. Às 15:00 h, salva de fogos anunciavam a entrada do vapor, na baía do Rio Negro, uma verdadeira multidão vai ao cais do porto para recebê-la, o comércio fecha suas portas.

O carro de luxo do Palácio Rio Negro chega conduzindo as esposas do Governador Ephigênio Salles, do diretor do Atlético Rio Negro Clube Sá Antunes e do presidente do Atlético Rio Negro Clube Desembargador Hamilton Mourão, escoltadas por um importante esquadrão de lanceiros, composto por ginasianos.

Em uma lancha especial, seguem a diretoria do Atlético Rio Negro Clube, representantes da imprensa e pessoas da família de Edna ao encontro do paquete, que atraca no Roadway. O povo não para de saudá-la, gritando seu nome. Surge a miss esplendorosa com sua faixa representando o Amazonas, toda bordada em fio de ouro.

A população de Manaus no Porto recebendo a miss. (Foto: Acervo AbrahimBaze)

Poema do poeta Francisco Pereira da Silva. É música de Hormisdas F. de Oliveira. (Foto:AcervoAbrahimBaze)

A comitiva sobe a Avenida Eduardo Ribeiro, em direção ao Largo de São Sebastião, dobrando, em seguida, rumo a sede do Atlético Rio Negro Clube, na Rua Barroso, hoje, Casa do Estudante, que pertencente à Universidade Federal do Amazonas. Às 17:45 h, Edna adentra a sede do clube, aclamada pelo povo e recepcionada por cavalheiros da sociedade e delegações de todas as agremiações esportivas e de classes, a banda de música, do 27º Batalhão de Caçadores, não parava de tocar. A miss é conduzida ao trono, sempre acompanhada das senhoras que foram buscá-la em sua chegada.

Em um momento de extrema emoção, Hemetério Cabrinha, “O poeta operário, atravessa o salão nobre conduzindo uma palma de flores, era a homenagem dos homens simples da estiva do Roadway a Flor de Baunilha que levara ao Rio de Janeiro o perfume da Selva Amazônica”.

Edna Frazão Ribeiro em sua residência. (Foto:AcervoAbrahimBaze)

Com estas palavras, Hemetério Cabrinha inicia a saudação a Edna, em nome dos estivadores, emocionando todos os presentes. Logo a seguir, fala o orador oficial do Atlético Rio Negro Clube e a senhora Lili Azevedo, representante das damas amazonenses, que se desloca com um grupo de jovens e faz a sua saudação. Os militares através do Tenente Plínio Abreu, do 27º Batalhão de Caçadores, também se manifesta com oratória que sensibilizou a miss.

Edna Frazão Ribeiro visivelmente emocionada, solícita ao Presidente do Atlético Rio Negro Clube, o Desembargador Hamilton Mourão, que seus agradecimentos fossem proferidos pelo também poeta, Francisco Pereira da Silva, que com estas palavras dá início a saudação. “Humilde vassalo da beleza, cumpro ordens da Rainha excelsa que regressa ao Amazonas “.

Foto tirada durante a visita ao Clube Fluminense no Rio de Janeiro. (Foto:AcervoAbrahimBaze)

O povo do lado de fora clamava seu nome Edna, Edna, Edna, que com simpatia atende risonha e meiga, aparecendo na sacada para saudá-los, em meio a beijos e lágrimas, joga para o povo o ramalhete de flores que havia recebido na chegada, uma verdadeira apoteose.

*“Matéria publicada no Jornal A Notícia, por AbrahimBaze, domingo, 17 de agosto de 1997”
Compartilhar
Abrahim Baze
*Amazonense de Manaus. Graduado em História pelo Centro Universitário do Norte e pós-graduado em Ensino à Distância pelo Centro Universitário UNISEB-COC, de Ribeirão Preto/SP. Recebeu o título de Notório Saber em História, pelo CIESA, de Manaus/AM. Fundador e organizador dos museus da Sociedade Beneficente Portuguesa do Amazonas, Luso Sporting Clube, Rede Amazônica, Memorial e Biblioteca Senador Bernardo Cabral, Centro Cultural Luso Brasileiro do Amazonas, Centro Universitário Luterano de Manaus, Instituto Cultural Brasil-Estados Unidos e do Atlético Rio Negro Clube. Diretor do Instituto Cultural da Fundação Rede Amazônica e apresentador dos Programas de TV: Literatura em Foco e Documentos da Amazônia. Autor de mais de 65 títulos sobra História da Amazônia. Membro da Academia Amazonense de Letras, Instituto Geográfico e Histórico do Amazonas, Academia de História do Amazonas, Academia de Medicina do Amazonas, Academia Maçônica de Letras do Amazonas, Associação Nacional de Escritores (Brasília), Associação dos Escritores do Amazonas e Academia de Letras, Ciências e Artes do Amazonas.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário
Por favor informe seu nome aqui