Doutor, minhas juntas estão doendo.” Esta frase é comumente usada por idosos com dores nas articulações. As articulações fazem parte de um sistema de conexão natural do corpo composto por uma complexa cápsula de revestimento (nervos, vasos, coloide gelationoso) que conecta os ossos e permite todos os nossos movimentos, porém as dores neste sistema podem estar relacionadas a uma doença autoimune denominada artrite reumatoide que afeta cerca de 2 milhões de brasileiros entres as doenças reumáticas.

A artrite reumatoide é uma doença de origem autoimune, crônica e inflamatória das articulações. Não se tem conhecimento da causa do surgimento, mas sabemos que há urna liberação excessiva de moléculas inflamatórias que degeneram as articulações,exacerbando o comprometimento dos nervos sensitivos existentes causando dor e imobilidade das articulações. Alguns fatores de risco também são estudados como a predisposição genética, tabagismo, obesidade, distúrbios hormonais e estresse.

Os sintomas mais comuns são dor, inchaço, calor e vermelhidão, os membros mais atingidos são as das mãos, pés, punhos, cotovelos, joelhos e tornozelos.

As articulações inflamadas provocam rigidez matinal, fadiga e com a progressão da doença, há destruição da cartilagem articular e os pacientes podem desenvolver deformidades e incapacidade para a realização de suas atividades diárias como um simples escovar de dentes.

Ao contrário do que muitas pessoas pensam, esta moléstia não está associada somente a velhice, adultos e até crianças são atingidos, sendo mais comum em mulheres na faixa de 30 a 50 anos. Os danos da inflamação vão além das articulações e podem comprometer órgãos internos como pulmão, coração e rins, isto porque aumenta o risco de entupimento das artérias causada pela inflamação possibilitando no futuro consequências como o risco de AVCs e infartos.

O diagnóstico precoce é fundamental para controle da doença, ao sentir os primeiros sintomas busque ajuda médica, preferencialmente um médico reumatologista que conduzirá aos exames necessários para investigação. O tratamento da doença além de medicamentoso deve ser também acompanhado por fisioterapia e terapia ocupacional.

Enfim, independente da doença, o desgaste da cartilagem que reveste as articulações é natural e inevitável no processo do envelhecimento, porém podemos sim tomar algumas medidas para fortalecer a musculatura e aliviar as dores. Movimente-se! Invista em um exercício físico moderado diariamente, como uma simples caminhada de 30 minutos, e veja como seu corpo responderá melhor.

Lembrando que os pacientes que apresentam crises devem primeiro realizar o tratamento para depois realizar alguma atividade orientada pelos médicos.

Cuidem-se!

Compartilhar
Euler Ribeiro
Amazonense, de Itacoatiara. Formado em Medicina em Belém (PA), o médico geriatra completou os estudos em SP e nos EUA. Foi secretário de Saúde do Estado e deputado federal. Fundador da Universidade Aberta da Terceira Idade (UnATI), ligada à Universidade Estadual do Amazonas (UEA). Membro das academias amazonenses de Letras e de Medicina.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário
Por favor informe seu nome aqui