Este distúrbio conhecido popularmente como prisão de ventre e intestino preso é negligenciado pela maioria das pessoas. Sua origem está associada ao mau funcionamento do intestino principalmente a qualidade da nossa alimentação. Os alimentos passam por um longo processo em nosso sistema digestivo e o ponto de partida se dá pela boca, por isso a mastigação é muito importante, ao triturar bem os alimentos ajudamos a deglutição e o processo de salivação que facilita a absorção dos alimentos e conduz o caminho para a produção do ácido gástrico e a progressão do bolo alimentar pelos intestinos grosso e delgado.

Infelizmente este processo pode ser dificultado por vários fatores, o mais comum é a dieta pobre em fibras, insuficiência na ingestão de líquidos, consumos excessivos de carnes e também culpamos o sedentarismo. A obstipação pode estar associada também a doenças como hemorroidas, síndrome do intestino irritável, doenças celíacas, câncer colorretal e até quadros de estresse, ansiedade, depressão, entre outras. Não há um padrão específico para um número normal de evacuações, especialistas consideram um quadro de constipação quando ocorrem duas ou menos evacuações por semana, ou evacuação de fezes extremamente ressecadas e sensação incompleta de esvaziamento dos intestinos.

Quando se instala costuma causar distensão abdominal, gazes, dor abdominal e muita dor ao evacuar. Portanto, aconselhamos alimentar-se com alimentos ricos em fibras : frutas, verduras, legumes, castanhas de qualquer natureza, beber no mínimo dez copos de água ao dia ou ingerir também outras formas de bebidas como suco natural, chá, leite, desde que não seja alcoólico. Exercícios também ajudam a mobilização das vilosidade intestinais, principalmente a caminhada.

A prisão de ventre na idade tardia tem como causa principal a falta de água e uso de medicações, o tratamento se faz com muita fibra na alimentação, em casos sérios é necessário usar um “clister glicerinado” para dissolver o bolo fecal endurecido e retirar o fecaloma, recomendo também o uso de duas colheres de sopa de óleo mineral duas vezes ao dia que não é medicamento, mas ajuda a lubrificar a mucosa intestinal facilitando a progressão do bolo fecal.

Apesar de afetar a todos, a prisão de ventre é mais comum em mulheres e crianças. É normal ouvir queixas das pacientes de desconforto, distensão abdominal e endurecimento das fezes. Infelizmente, apesar de a alimentação ter uma grande influência, as mulheres são afetadas por conta das alterações hormonais e fatores culturais envolvidos de não utilizar banheiros “estranhos”, muitas não obedecem ao desejo no exato momento e por consequência causam as implicações de ressecamento e fissuras. Então não segure e vá de imediato ao banheiro.

Busque ajuda médica para melhorar o trânsito intestinal, afinal o estômago é considerado hoje um dos órgãos mais importantes na prevenção de doenças. Cuidem-se!

Compartilhar
Euler Ribeiro
*Amazonense de Itacoatiara. Médico, MD. PhD em Geriatria e Gerontologia. Ex-secretário de Saúde e ex-deputado federal pelo Estado do Amazonas. Fundador e atual Reitor da Fundação Universidade Aberta da Terceira Idade. Membro das academias amazonenses de Letras e de Medicina.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário
Por favor informe seu nome aqui