Nesse dia das mães o cronista pede licença para novamente homenagear sua inesquecível mãe, Amine Daou Lindoso. Mãe de sete filhos, sempre procurou dar atenção integral a todos nós. Os sete foram tratados como filhos únicos.

Minha mãe, como toda moça educada em escolas salesianas, era habilidosa, excelente esposa e mãe devotada. Dentre as suas várias habilidades como tocar piano, falar e escrever impecavelmente, sabia fazer tricô com perfeição. Seu amor pelos filhos e depois aos netos, materializava-se ainda antes do nascimento. Dona Amine tricotava, com todo desvelo e afeto do mundo, perfeitos e até cobiçados sapatinhos, casaquinhos e luvinhas de lã.

A origem do tricô é bem controvertida. Provavelmente foi inventado na Antiguidade. Algumas peças antigas foram descobertas no Egito. O fato é que na História Moderna o tricô foi aperfeiçoado nas Ilhas Britânicas. As mulheres inglesas foram as primeiras que   desenvolveram a técnica nos nossos dias. O objetivo era produzir meias e cachecóis que protegessem seus maridos e filhos no inverno. O fato de dona Amine ter nascido no calor de Manaus e tornar-se exímia em tricô é um mistério a ser estudado.

O cuidado com os filhos, a administração da casa e as diversas atividades sociais em que se engajava não eram empecilho para acompanhar e sempre apoiar meu pai, José Lindoso, em suas atividades como político e homem público.

Amine Daou Lindoso foi primeira dama do Amazonas de 1979 a 1982.Visitava sempre a colônia Antônio Aleixo. Certa vez eu perguntei a ela se não tinha medo de contrair o vírus da hanseníase. Disse-me que era um vírus “bobo”. Considerava um absurdo ainda não ter sido erradicado.

Há anos o Governo do Amazonas construiu, na colônia Antônio Aleixo, um conjunto habitacional denominado Amine Daou Lindoso. A inauguração contou com a presença do governador, presidente e autoridades. Após a solenidade os moradores vieram, vários, cumprimentá-la. Queriam vê-la novamente. Alguns bastante mutilados.     Fiquei especialmente tocado com uma senhora cadeirante, com sinais bastante evidentes de mutilações, porém muito vaidosa, com uma flor no cabelo. Queria repetir versos já ditos a dona Amine. E assim o fez. Eles vieram demonstrar ternura, afeto e reconhecimento.

Em honra à memória de minha mãe, quero homenagear as mulheres que são mães devotadas. Cuidam com extremo amor dos seus filhos. Contudo, exercem ainda o papel de esposa e companheira. Mulheres-mães que mudam o mundo. Pelo exemplo que dão aos homens e aos seus filhos.

Compartilhar
Pedro Lucas Lindoso
*Bacharel em Direito e licenciado em Letras pela Universidade de Brasília. Membro efetivo do Instituto Geográfico e Histórico do Amazonas. Pertence a Associação dos Escritores do Amazonas e a Academia de Letras Ciências e Artes do Amazonas. Membro fundador da Academia de Ciências e Letras jurídicas do Amazonas.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário
Por favor informe seu nome aqui