*Francisco de Abreu Cavalcante

Essa poesia pertence ao livro MARAVILHAS DA VIDA, do autor, a ser lançado em breve. 

Lembranças de feliz professor.
Que também foi pescador
Canoeiro de mãos calejadas,
Cútis branca de peles queimadas
De sol abrasante a castigar,
E as noites frias a remar, remar…

I
Acompanhando meu irmão
Passava os dias a pescar
Debaixo de sol e muito calor
Só para admirar a beleza,
Pescando apenas com amor
Ao esplendor da natureza.

II
Pensava, sonhando acordado
Com os dias vindouros chegar,
Precisava ser de algo dotado
Para meu semelhante ajudar
Como fazer? A escola distante,
Sem condições de estudar.

II
O tempo e a idade avançando,
Tudo queria… à noite pensando
Sem nada fazer de melhor,
Apenas trabalho, trabalho só,
Alimentação sempre tinha –
O salutar peixe com farinha

IV
Mesmo assim não me continha
Coragem não me faltava
Eu até consegui uma profissão!
Fazia móveis, canoas, um batelão
Que virou barco de pesca
Para a lida de meu irmão!

V
Meu irmão, nada estudou
Mas não raciocinava a cru!
Nossa mãe quando lhe ensinava,
A soletrar a palavra, “ma-la”,
Sua inteligência, atestava:
Dizia rapidamente “baú”

VI
Mesmo sem ler e escrever,
Nas contas, ele tudo sabia,
Era considerado o gestor
Dos valores da pescaria
“É produto de meu trabalho!”
Era o que sempre dizia.

VII
E mais: trabalhar como empregado
Achava uma escravidão!
Pescando, sentia-se livre
Não importava a solidão,
Porque pescava com amor,
Fez da pescaria sua profissão.

VIII
Assim continuou meu irmão
Naquela doce vida arriscada
Porque gostava da profissão
Por amor e ação deliberada,
Gerindo sua própria vida
Vida talvez predestinada.

IX
Uma cena que na pesca aconteceu:
De noite, num igarapé se passava,
A escuridão era absoluta
Àquela hora, pescadores não se arriscavam
E o pavio da lamparina molhado
Fósforo? Só dois palitos restavam…

X
Mas Deus abençoada noite nos deu
Porque o primeiro palito molhou,
Mas o segundo palito acendeu
E o brilho nas águas voltou,
Assim, aquele poder divino
Até a casa paterna nos guiou.

XI
Noite de chuva fina constante
O vento frio nos assolava
Era susto a todo instante
Que a candeia quase apagava!
Meu forte irmão, um gigante!
Remava, remava e não cansava.

XII
Até altas horas a remar,
Superando sentido cansaço
Pelo afã de em casa chegar
E dormir, da noite um pedaço,
Porque deveria à pescaria voltar;
Meu irmão: um homem de aço!

XIII
Deparando com tantas pessoas
Sem estudo, vivendo naquele lugar,
Decidi comunicar ao meu irmão.
Que precisava voltar a estudar,
Pois gostaria de ser professor
Para àquela gente ajudar.

XIV
Até que um dia, pelas garras
Do destino, tornei-me um professor.
Concursado para trabalho integral
Impediram-me voltar ao interior.
Trabalhador de capital que
Para cidade natal jamais voltou.

XV
Mas o nosso destino é assim
E por ser assim não se deve contrariar.
As forças do bem nos amparam
Onde e como nos é mister estar.
Para a vida Deus nos prepara
Até onde Ele nos permite chegar.

*Poeta e professor aposentado, natural de Itacoatiara. Graduado em Letras, Língua Inglesa. Integrante do Coral João Gomes Júnior.
Compartilhar

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário
Por favor informe seu nome aqui