*Claudia Costin

A aventura humana no planeta envolve descobertas, invenções e aprendizagens.

Li, recentemente, o magnífico texto de Albert Cohen “Le livre de ma mère” (O livro de minha mãe, em tradução livre), em que o consagrado escritor greco-suíço relembra, de forma poética, embora em prosa, a vida de sua mãe, uma imigrante grega que teve dificuldades de se adaptar na cidade em que viveu, Marselha, mas que o marcou profundamente, por seu amor incondicional e, em particular, pelas histórias que dela ouvira sobre o “gueto” na terra natal de ambos, a ilha de Corfu.

Ele, por sua vez, acabou migrando para Genebra, onde estudou, atuou profissionalmente e se tornou um autor de renome. A mãe acaba morrendo em 1943, longe dele, num cenário desafiador, já que ele não tinha como retornar a Marselha, dada a invasão da chamada “França Livre” pelos alemães, em novembro de 1942.

Ao ler o livro, lembrei-me de uma frase muito presente na tradição judaica -“ledor vador”, ou “de geração em geração”- que não nos permite esquecer tanto a passagem do tempo quanto os legados de quem nos precedeu na Terra. Da mesma maneira, traz-nos sempre à mente, em particular quando envelhecemos, aquilo que deixaremos como herança intangível para os nossos descendentes.

A aventura humana no planeta envolve descobertas, invenções e aprendizagens, muitas vezes ocorridas durante crises, como conflitos armados, fomes extremas e epidemias, como a que vivemos agora, num diálogo intenso entre sofrimento e celebração de avanços científicos. E coloca uma tarefa para cada geração, em cada cultura: contar às crianças as histórias ouvidas dos antepassados e, em especial, as que foram vividas por contemporâneos. Celebrar as tradições que marcaram suas infâncias, sem contrapô-las às de outros grupamentos humanos. Ensinar os descendentes a ser confortáveis com sua própria identidade, sem armar suas almas com ódio aos demais.

Curso de férias melhora habilidades matemáticas de alunos

O curso, de dez dias, usa a metodologia batizada de Mentalidades Matemáticas e depende em grande parte de comunicação e colaboração Divulgação/Divulgação

Um dos pesquisadores de Stanford que implantaram o curso diz que meninas tendem a preferir atividades em que as ideias estejam mais conectadas; por isso, a base colaborativa do curso as favorece Divulgação/Divulgação

As atividades também se baseiam no aspecto visual da matemática Divulgação/Divulgação

Os resultados da experiência mostraram que os alunos avançaram não só nos conteúdos, mas também nas atitudes perante a disciplina, deixando de ter medo da matemática Divulgação/Divulgação

As instituições de ensino também têm um papel, na mesma direção. Por um lado, devem transmitir o conhecimento acumulado pela humanidade e contar as histórias de acertos e erros dos que nos precederam, enquanto ensinam crianças e jovens a viver em paz na diversidade. Por outro, prepará-los para quebrar paradigmas e construírem sua parte na aventura humana, avançando também nas suas próprias narrativas, mas sem repetir equívocos já cometidos.

De geração em geração, uma cadeia de eventos e processos vai assim se construindo, com permanências e rupturas. Por vezes, fantasmas do passado surgem a nos assombrar, mas, enquanto houver histórias bem contadas por mães e escolas no mundo todo, não passarão de sustos passageiros a nos relembrar sofrimentos já superados.

*Professora. Artigo na Folha de São Paulo, Caderno Opinião, de 15/01/2021.
Compartilhar

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário
Por favor informe seu nome aqui