Por muito tempo, as gorduras de modo geral foram colocadas como vilãs na nutrição e saúde, porém nem toda gordura é ruim. O colesterol é um conjunto de gorduras necessárias para o funcionamento do nosso corpo, sem ele não podemos viver, pois esta gordura é fonte de origem dos hormônios e do sistema de defesa do organismo.

Várias são as fontes do colesterol. Temos o colesterol de origem exógena o qual é adquirido por meio dos alimentos, tais como: alimentos de origem animal, carne vermelha, mariscos, ovos, óleos de origem animal, queijos amarelos, margarinas, manteiga, tortas e todo tipo de fritura, e a endógena, aquele colesterol produzido no próprio organismo de acordo com as características genéticas de cada pessoa. Isto na verdade constitui a maior fonte de colesterol total. Uma vez produzido, cai na corrente sanguínea ligando a uma lipoproteína, molécula que contém proteína e gordura. Existem dois tipos dessas moléculas transportadoras: as lipoproteinas de baixa densidade (LDL) e as de alta densidade (HDL) – e são elas que determinam se o colesterol será mais ou menos prejudicial à saúde.

Consideramos que os níveis de HDL devem ser de, no mínimo, 60 miligramas por decilitro de sangue e os LDL não devem ultrapassar 100 miligramas por decilitro de sangue. O excesso de gordura ruim pode se acumular nas artérias e formar placas de gordura causando problemas cardiovasculares como infarto, AVC, trombose, etc. Por outro lado, devemos ingerir gorduras que fazem bem para nossa saúde como sementes, peixes, azeite e algumas frutas com fonte de gorduras boas, como o abacate.

Os principais fatores de risco para o aumento do colesterol são: sedentarismo, alcoolismo, dieta rica em gorduras saturadas, carboidratos e açúcares, tabagismo, hipertensão arterial, diabetes, histórico familiar de doença cardíaca, obesidade e níveis baixos de HDL, que é o bom colesterol, que ajuda a eliminar o LDL e evita que este último possa se depositar nas artérias. Já está sendo comprovado cientificamente que mudanças no estilo de vida podem fazer a diferença nos cuidados com a saúde individual em relação ao colesterol, por isso o ideal é uma dieta equilibrada justamente com a prática de exercícios físicos. Faça seus exames anualmente para acompanhamento do nível de colesterol.

Além desses fatores, a hereditariedade pode determinar um colesterol alto mesmo em pessoas que tenham hábitos saudáveis, por isso, além da prática de atividade física e da alimentação equilibrada é importante verificar regularmente as taxas de gordura no sangue e com acompanhamento médico. Lembrem-se: nada adianta tomar remédios se não houver mudanças nos hábitos de vida saudável. A mudança é difícil, mas vale a pena buscar sua qualidade de vida!

Compartilhar
Euler Ribeiro
Amazonense, de Itacoatiara. Formado em Medicina em Belém (PA), o médico geriatra completou os estudos em SP e nos EUA. Foi secretário de Saúde do Estado e deputado federal. Fundador da Universidade Aberta da Terceira Idade (UnATI), ligada à Universidade Estadual do Amazonas (UEA). Membro das academias amazonenses de Letras e de Medicina.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário
Por favor informe seu nome aqui