*Francisco de Abreu Cavalcante

Pertence ao segundo livro “Maravilhas da vida” a ser publicado em breve.

Sessenta e três anos, realmente é muito bom, infelizmente passa por algumas dificuldades, como acontece aos melhores grupos amadores e até profissionais, mas logo mais ele voltará aos tempos áureos das cantatas musicais.

I
São tantas lembranças contidas
Que nem dá para mencioná-las,
Recordações de glórias vividas
Quiçá, nem pudera alcançá-las.

II
Culpas minhas…quem sabe, não sei,
Pessoalmente, dei-lhe o que podia dar,
Mergulhado nos sonhos que sonhei,
Antes quando ainda podia sonhar.

III
Entre os altos e baixos momentos
Que parcamente podia observar,
Alegres e festivos entretenimentos,
Recordações, levam-me a vislumbrar.

IV
Ah!…coleguismo aconchegante
Nas hóstias do coral a militar,
E naqueles momentos de cantatas
Claramente, não se deixava desejar.

V
Além do maestro Nivaldo Santiago
Do coral, honroso e feliz fundador,
Nos honraram com mansos afagos,
Maestros e maestrinas de igual valor.

VI
Destacando aqui Dirson Costa,
Sem menosprezo aos demais,
Maestro de rara nobreza imposta
Seus méritos, da história, nos anais.

VII
Não menos honrosa gestora idealista,
Jovem professora de valor especial,
Na época, outros, ela valores conquista,
Juntos, conseguem a fundação do coral.

VIII
Continuando a professora a estudar
Tornou-se magistrada com louvor,
Do coral, sempre nossa presidente,
E nos regala a voz com muito amor.

IX
De gentil família e tradição exemplar,
Ribamar e Cleomar, vivos, presentes!
Paulo, Pedro, Dulce, Dagmar, Lucimar,
Já saudosos queridos permanentes.

*Poeta e professor aposentado, natural de Itacoatiara. Graduado em Letras, Língua Inglesa. Integrante do Coral João Gomes Júnior.
Compartilhar
Autor Externo
As publicações são fontes externas de outros veículos de comunicação.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário
Por favor informe seu nome aqui