Diz a sabedoria popular que a única certeza da vida é a morte. O meu amigo e confrade de Academia Amazonense de Letras (AAL), doutor Euler Ribeiro, um dos geriatras mais conceituados em todo o mundo, sempre destaca em suas magníficas palestras a lei biológica segundo a qual “a gente começa a morrer quando nasce”. E isso faz todo o sentido, posto que é a partir desse momento que o nosso corpo começa a se desgastar e, com o tempo, a envelhecer, até perder por completo suas funções.

Em que pese o conhecimento dessa verdade, em condições normais, preferimos não pensar na morte. Vivemos como se fossemos eternos, como se nossos pais, irmãos, namorados, cônjuges, amigos, companheiros de trabalho, de lutas e de ideal fossem estar sempre por aí, ao alcance de um encontro presencial ou de um contato virtual, o que por vezes nos faz adiar essa interação porque, pensamos, sempre haverá tempo. O relógio da vida, no fundo sabemos, todavia, marca uma contagem regressiva…

Aí, quando, quando chega a nossa vez de perder alguém que amamos, é como se cravassem uma faca no fundo de nosso peito e levassem para longe uma parte de nossos corações. Fica, para sempre, uma lacuna.

Experimentei isso quando mamãe e papai morreram. Já faz tempo, mas ainda dói. Os que já passaram por essa dura, mas inescapável experiência, acabam encontrando conforto nas boas lembranças de seus entes queridos e nas promessas de imortalidade da alma que nos fez o mestre Nazareno. E seguem, seguimos em frente, feridos e pesarosos, porém, agradecidos pelo privilégio que tivemos de compartilhar as nossas lindas histórias de vida.

Numa situação excepcional, como a que experimentamos agora com a pandemia de Covid-19, em especial no estado do Amazonas e na cidade de Manaus, cujos cidadãos sofrem com a falta de oxigênio e com a impiedade dos fura-fila, é mais difícil aceitar que a morte de tanta gente seja consequência única, exclusiva e natural da praga que assola o mundo inteiro. Há responsabilidades, e como, a serem ocupadas. É o que todos esperamos que as instituições incumbidas constitucionalmente dessa tarefa o façam, sem desculpas, sem evasivas e sem procrastinações. Um óbito, até porque não há mais jeito, precisamos assimilar; a injustiça, contudo, nunca e nem jamais poderá prosperar!

Ao longo desse calvário, que se iniciou em 2020 e segue mais forte neste início de ano, já chorei por muitos amigos queridos, assim como você, leitor, já deve ter chorado por amigos e familiares que partiram sem ao menos poder dizer adeus. Já tivemos medo, insônia, angústia, palpitações, incertezas quanto ao futuro. Indignação também! Nossos corações estão despedaçados…

Mas ainda estamos aqui. E se Deus nos concedeu essa bênção, essa prorrogação, é porque existe um propósito, uma missão a cumprir, que consiste, penso eu, em reverenciar a memória dos que partiram, em exigir que os homens que nos governam atuem como correção e fazer o que pudermos para reconstruir desses escombros sentimentais que nos restaram e desse vale de lágrimas que nos cerca, dentro do possível, um mundo melhor, mais solidário e menos egoísta.

Compartilhar
Júlio Antônio Lopes
*Amazonense de Manaus, Advogado, jornalista, escritor e editor. Em âmbito regional é membro da Academia Amazonense de Letras; do Instituto Geográfico e Histórico do Amazonas; da Academia de Letras, Ciências e Artes do Amazonas - seu atual presidente; da Academia de Letras do Brasil-Am; da Academia de Letras e Culturas da Amazônia; da Associação dos Escritores do Amazonas; e da Associação Brasileira de Poetas e Escritores PanAmazônicos. Idealizador e fundador da Academia de Ciências e Letras Jurídicas do Amazonas - a Casa de Bernardo Cabral. Integra, como membro efetivo, a Academia Brasileira de Ciências Morais e Políticas; a Academia Internacional de Jurisprudência e Direito Comparado; a Confraria Dom Quixote; a Associação Nacional dos Escritores, sendo, ainda, sócio correspondente da Academia Carioca de Letras; e da Academia Cearense de Direito;) e sócio honorário da Academia Paraibana de Letras Jurídicas. Faz parte também do Conselho Consultivo da Academia Brasileira de Direito.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário
Por favor informe seu nome aqui