Reinaldo José Lopes
*Reinaldo José Lopes

Paulistas dos séculos 16 e 17 eram obcecados em escravizar índios.

Desde que se tornou vice-presidente do Brasil, o general Hamilton Mourão levou tamanho banho de loja e de “média training” (técnicas para não falar barbaridade na frente de jornalista, basicamente) que alguns incautos chegaram a achar que estavam diante de uma pessoa razoável quando ele abria a boca nos últimos meses.

Mas o Twitter, como sabemos, é melhor do que vinho para extrair do sujeito suas verdadeiras opiniões, de modo que, há poucos dias, o “vice-presida” nos presenteou com esta pérola de sabedoria em sua conta no microblog: “Donatários, bandeirantes, senhores e mestres do açúcar, canoeiros e tropeiros fizeram o Brasil. Só um povo empreendedor constrói um país dessas dimensões”.

A lista é interessantíssima, não há dúvida, mas gostaria de me concentrar nos bandeirantes, já que esta é a Folha de S.Paulo, afinal, e os célebres desbravadores do sertão ainda estão entre os alicerces da mitologia histórica paulista. Ocorre que, se quisermos mesmo descrever os bandeirantes como empreendedores, os principais produtos de suas “startups” foram morte e miséria – inclusive para eles próprios.

E não é nem um pouco difícil achar informações confiáveis a esse respeito. Se você só tiver tempo para ler um único livro sobre a história colonial brasileira na vida, por favor devore “Negros da Terra: Índios e Bandeirantes Nas Origens de São Paulo”, de John Manuel Monteiro (1956-2013).

O historiador da Unicamp publicou a obra pela primeira vez em 1994, mas o livro envelheceu tão bem, em grande parte graças à obsessão quantitativa de seu autor, que acabou de ganhar uma edição em inglês. Analisando testamentos, atas da Câmara Municipal e muitos outros documentos, Monteiro mostrou que os paulistas dos séculos 16 e 17 eram obcecados por um único tipo de empreendedorismo: escravizar índio.

“Ué, mas e a busca por ouro e pedras preciosas? E as expedições heroicas que expandiram nossas fronteiras?”, perguntará o leitor mais ingênuo. Em geral, essas coisas eram, quando muito, pretextos para apresar “o negro da terra” (daí o nome do livro) ou “o gentio da terra”, despovoando vastas regiões do interior brasileiro para abastecer de mão de obra as fazendas de trigo – sim, trigo – que começavam a se espalhar pelo que um dia seria a Grande São Paulo.

Para isso, valia basicamente tudo. A legislação colonial coibia, em certa medida, a escravização dos indígenas que não fossem capturados em “guerras justas” (em geral, as de autodefesa). E os padres jesuítas defendiam que os nativos fossem reunidos em aldeamentos próprios, prestando serviços – em tese, pagos – aos colonos conforme a necessidade.

Incomodados com a “burocracia” (veja só que belo paralelo com certos empreendedores de hoje…), os paulistas não só engoliram os aldeamentos jesuíticos de sua região como destruíram as missões da Companhia de Jesus no Guairá (região que corresponde mais ou menos ao oeste do Paraná de hoje), atacando também regiões do Rio Grande do Sul e de Santa Catarina.

Com isso, certos bandeirantes chegaram a possuir 500 ou mais escravos guaranis, que não só cuidavam da lavoura como carregavam nas costas o trigo para venda no porto de Santos e atuavam como soldados pessoais dos potentados paulistas em novas expedições escravistas.

Nas décadas finais do século 17, a maltratada mão de obra indígena foi se esvaindo, assim como a fertilidade da terra. Restava, no século 18, um campesinato mestiço e empobrecido.

*Jornalista e escritor. Artigo na Folha de São Paulo inserida no Caderno Ciência, de 06/09/2019.
Compartilhar
Autor Externo
As publicações são fontes externas de outros veículos de comunicação.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário
Por favor informe seu nome aqui